Quercus pede atenção a ninhos de vespa asiática

A associação lembra que a responsabilidade de destruir os ninhos cabe exclusivamente à Câmara Municipal e à Proteção Civil

A Quercus e a Associação Amigos do Cáster alertaram hoje a população de Ovar para o problema da vespa asiática, na sequência da destruição de um ninho na segunda-feira naquela localidade do distrito de Aveiro.

Em comunicado, a associação ambientalista adiantou que foi descoberto recentemente por populares um ninho de vespa asiática no centro de Ovar, no alto de um cedro numa casa devoluta localizada junto ao Hotel Meia-Lua, tendo sido destruído pela autarquia na segunda-feira.

Nesse sentido, a Quercus pede à população que em caso de deteção ou suspeita de ninho ou exemplares de vespa asiática, deverá denunciar a sua existência através da página da internet www.sosvespa.pt, para a linha SOS AMBIENTE, para a Câmara Municipal de Ovar ou para a Junta de Freguesia mais próxima do local.

A associação indicou também que a responsabilidade de destruir os ninhos de vespas asiáticas cabe exclusivamente à Câmara Municipal e à Proteção Civil.

"Pessoas ou entidades não credenciadas para o efeito devem ser denunciadas para a linha SOS AMBIENTE (808 200 520)", é sublinhado.

De acordo com dados da Câmara Municipal de Ovar, este ano já foram destruídos 20 ninhos.

"Consideramos importante a vigilância da população para este problema dadas as possíveis consequências na segurança pública e certas as repercussões no ambiente, na produção de mel e na produção agrícola", é realçado.

Segundo o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), a introdução da vespa asiática involuntária na Europa ocorreu em 2004 no território francês, tendo a sua presença sido confirmada em Espanha em 2010, em Portugal e Bélgica em 2011 e em Itália em finais de 2012.

"A infestação tem progredido a grande velocidade de norte para sul de Portugal. Inicialmente só ocorriam colónias no norte de Portugal, nomeadamente no Minho, atualmente já ocorrem com muita frequência na região de Aveiro", de acordo com o ICNF.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.