Procuram-se voluntários para estarem dois meses deitados e ganharem 16 mil euros

Homens saudáveis, com idade entre os 20 e os 45 anos, não fumadores: alguns dos requisitos

Gosta de não fazer nada? E se, ainda por cima lhe oferecerem dinheiro em troca? É essa a oferta do Medes, Institut de Médecine et de Physiologie Spatiales (Instituto de Medicina e Fisiologia Espacial) de Toulouse, França, que está à procura de voluntários para participar na segunda fase do estudo clínico sobre simulação de microgravidade.

O objetivo deste estudo é adquirir o máximo conhecimento acerca da reação do corpo humano em caso de ausência de gravidade de forma a mitigar os efeitos adversos aquando do regresso dos astronautas à superfície terrestre, segundo conta o 20 Minutes.

O instituto tem inscrições abertas para voluntários que queiram participar. Mas há requisitos obrigatórios: só são aceites homens, com idades compreendidas entre os 20 e os 45 anos, saudáveis, não fumadores, praticantes regulares de exercício físico e que não sofram de nenhuma patologia ou alergia.

Em contrapartida, os voluntários terão de sujeitar-se a 88 dias de hospitalização, 60 dos quais em completo repouso: sempre deitados, com os pés ligeiramente para cima, até para comer, sendo que a própria alimentação é cuidadosamente pensada, com antioxidantes e anti-inflamatórios.


Bedrest : comme des astronautes ! por CNES

As primeiras duas semanas serão para exames médicos e estudo dos voluntários. Seguem-se então os tais 60 dias deitados, sem nunca tocar com os pés no chão. Finalmente, as duas últimas semanas destinam-se a recuperação física dos voluntários e à análise dos efeitos do facto de terem estado tanto tempo deitados.

Um primeiro grupo de uma dezena de voluntários já passou pela experiência e levantou-se pela primeira vez ontem, depois de um período de 60 dias na cama.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.