Prisão até 11 anos para 13 arguidos que assaltavam casas durante funerais

Procuravam notícias de funerais ou casamentos para saber a que dia e horas não estaria ninguém em casa

O Tribunal da Relação de Guimarães confirmou a condenação a penas até 11 anos de prisão de 13 arguidos acusados de assaltos a residências em vários concelhos do norte, aproveitando a ausência dos proprietários para funerais ou casamentos.

Em nota hoje publicada no seu site, a Procuradoria-Geral Distrital do Porto refere que os arguidos escolhiam as casas a assaltar após obterem informações, nomeadamente em jornais locais, de que os respetivos locatários estavam ausentes em funerais, casamentos, batizados ou outros acontecimentos que implicavam a ausência de casa por períodos mais longos.

Algumas vezes, essas informações eram obtidas junto de outros arguidos.

Os arguidos foram condenados em penas entre um ano e três meses e 11 anos de prisão pela prática de crimes de furto qualificado.

Os factos consumaram-se entre finais de 2013 e outubro de 2014, nos concelhos de Famalicão, Braga, Vila Praia de Âncora, Viana do Castelo, Santo Tirso, Guimarães, Vila Verde, Vizela, Monção, Barcelos e Póvoa de Varzim.

O Ministério Público estima que tenham sido furtados bens e valores num montante superior a 326 mil euros

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.