Portugal reduz abandono escolar precoce

Entre 2012 a 2015, também se registou aumento da taxa de conclusão dos estudos superiores

Portugal reduziu a taxa de abandono escolar precoce em 6,8 pontos percentuais, para os 13,7% entre 2012 e 2015 - um valor que, apesar das melhorias, ainda está acima da média da União Europeia (11%), segundo dados hoje publicados pela Comissão Europeia.

Para o ex-ministro da Educação, Nuno Crato, este reconhecimento do que se conseguiu em três anos é muito positivo. "Foi um trabalho das escolas, dos professores e dos pais, e um trabalho de que muito nos devemos todos orgulhar. As medidas de combate ao insucesso e o desenvolvimento das ofertas vocacionais certamente que contribuíram para este progresso", considera Nuno Crato.

Para o ex-ministro, "é muito significativo que o abandono escolar tenha baixado ao mesmo tempo que subiu a exigência e a avaliação dos alunos, que na altura foi generalizada a todos os fins de ciclo".

No caso do abandono escolar precoce, a taxa de abandono em Portugal era, em 2015, superior entre os jovens nascidos no estrangeiro (16,2%) do que em Portugal (13,5%), em linha com a média da UE: 19,0% e 10,1%, respetivamente.

Segundo a edição deste ano do Monitor da Educação e da Formação, não só diminuiu a taxa de abandono precoce dos sistemas de ensino e de formação em Portugal nos jovens entre os 18 e os 24 anos, como aumentou, entre 2012 e 2015, a taxa de conclusão dos estudos superiores (30-34 anos) dos 27,8% para os 31,9% (UE 38,7%).

Em relação ao ensino superior, o relatório salienta que "a tendência para o decréscimo das matrículas no ensino superior, juntamente com a alta taxa de emigração de cidadãos portugueses altamente qualificados para outros países europeus, está a agravar a crise demográfica do país e poderá ter reflexos negativos na sua competitividade".

Em relação ao investimento na educação, em 2014 a despesa pública consagrada à educação em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB) era de 6,2%, sem alterações face a 2011 e acima da média da UE (4,9%).

No caso de Portugal, o monitor salienta que "o orçamento de 2016 para a educação não gerou aumentos significativos em relação ao ano anterior: prevê-se que o apoio financeiro para as reformas resulte de uma maior eficiência da despesa e de uma diminuição das repetições de ano". O ensino e cuidados na primeira infância (dos 4 aos 6 anos) recuaram dos 93,8%, em 2011, para os 93,5%, em 2014, acima da média da UE (94,3%).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG