Portugal é o segundo país da Europa com mais emigrantes

2,3 milhões de portugueses vivem no estrangeiro, ou seja, 22% da população. Logo a seguir a Malta, Portugal é o país da Europa com mais emigrantes

O último relatório do Observatório da Emigração mostra que se manteve em 2015 o mesmo número de saídas de Portugal para o estrangeiro registadas no pico atingido em 2013: acima das 110 mil por ano, refere a edição do jornal Público de hoje, que teve acesso ao documento.

Em 2015, segundo dados da ONU presentes no relatório, 2,3 milhões de portugueses vivem no estrangeiro, ou seja, 22% da população. Acima de Portugal no topo dos países europeus com mais emigrantes só está a república de Malta, no Mediterrâneo, que tem 24,7% da sua população emigrada.

Em terceiro lugar consta a Croácia, nos Balcãs, com 20,6% da população a viver no estrangeiro.

Relativamente à emigração lusa, o principal destino é o Reino Unido, onde entraram em 2015 32.301 portugueses, logo seguido da França, onde entraram 18.480, e da Suíça onde se registou a entrada de 12.325 portugueses em 2015. Seguem-se a Alemanha, com 9195 e Angola com 6715. Apenas a título de curiosidade, o país que menos interessa aos emigrantes portugueses é a longínqua Austrália, onde foi registada a entrada de apenas 103 emigrantes em 2015.

Mas a presença da emigração portuguesa é ainda expressiva em Espanha, Bélgica, Moçambique, Luxemburgo, Holanda, Brasil, Dinamarca, Estados Unidos, Canadá, Áustria, Noruega, Itália, Suécia, Irlanda e Macau.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.