PJ faz apreensão no Norte no valor de dois milhões de euros

Autoridades apreenderam imóveis, veículos e produtos financeiros

O Gabinete de Recuperação de Ativos (GRA) do Norte da Polícia Judiciária anunciou esta terça-feira ter apreendido 22 imóveis, 13 viaturas e 192 produtos financeiros, distribuídos por 13 instituições bancárias, no montante de cerca de dois milhões de euros.

Estas apreensões decorreram no âmbito de uma investigação patrimonial e financeira, com vista à identificação, localização e apreensão de ativos cuja proveniência surge de atividade criminosa de burla e branqueamento.

Em comunicado, a PJ esclarece que o GRA-Norte foi chamado a intervir nesta investigação, por determinação do Ministério Público no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Paredes.

Esta investigação criminal foi desenvolvida na Diretoria do Norte da Polícia Judiciária pela prática de crime de burla e branqueamento na aquisição de maquinaria industrial de elevado valor.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.