Nasceu um bebé de um embrião congelado há 24 anos

É o embrião criopreservado durante mais tempo a resultar num parto bem sucedido

Emma Wren é nome deste "milagre", como lhe chama o pai. A bebé nasceu de um embrião congelado há 20 anos, nos Estados Unidos. Trata-se do embrião mais antigo a resultar num parto bem sucedido. O anterior recordista era um embrião congelado há 20 anos, embora estas informações não estejam registadas oficialmente.

"Eu só queria um um bebé. Não quero saber se é um record do mundo ou não", comentou a mãe à CNN.

A bebé nasceu em novembro e a mãe, de 26 anos, tem apenas mais dois anos que o embrião da filha. "Poderíamos ter sido as melhores amigas", terá comentado Tina Gibson, que teria apenas 18 meses quando o embrião da filha foi criopreservado, a 14 de outubro de 1992.

"Emma é um milagre tão doce", afirmou o pai, citado por um comunicado do centro médico da Universidade do Texas. "Acho que é perfeita para estar tanto tempo congelada", acrescentou Benjamin Gibson.

Para a equipa que trabalhou neste caso, é gratificante ver um embrião como este ganhar vida ao fim de tanto tempo, sobretudo tendo em conta que na época as técnicas de criopreservação não estavam tão desenvolvidas. Além disso, esperam que este exemplo venha a persuadir outros casais que congelaram embriões a doá-los para que outras famílias inférteis possam vir a ter filhos. A alternativa, segundo os investigadores do centro, é doar os embriões para investigação, descongelando-os e permitindo que morram, ou então deixá-los criopreservados indefinidamente.

Tina e Benjamin Gibson, que já acolhiam crianças, foram alertados para a existência dos chamados "snow babies" pelo pai dela, que ouviu falar disso nas notícias. No imediato, o casal ignorou a dica, mas depois ficou a pensar no assunto. Até que decidiram candidatar-se.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.