Na Índia, atirar os bebés de uma altura de 9 metros dá boa sorte

Um vídeo divulgado em 2009 mostra bebés a serem atirados do telhado de um templo

Na Índia centenas de crianças são atiradas todos os anos de uma altura de 9 metros, dos telhados de templos, para garantir boa sorte para as respetivas famílias. A tradição tem mais de 700 anos e o ritual continua a ser praticado, apesar de ser ilegal: os bebés são lançados e apanhados por um lençol estendido.

O ritual é popular nas zonas rurais dos estados de Maharashtra e Karnataka, explica o The New York Times. Apesar de ser considerado ilegal pelas autoridades, nomeadamente pela comissão nacional de proteção de menores, que ordenou que este ritual deixasse de ser praticado em 2009, por ser perigoso para as crianças, continua a acontecer, garante o jornal.

Um vídeo divulgado em 2009 mostra bebés a serem atirados do telhado de um templo - o ritual é popular junto de muçulmanos e hindus. Foi este vídeo que lançou a discussão e levou à proibição.

Segundo a lenda, o ritual tem origem nas palavras de um santo que aconselhou as famílias de bebés doentes a construir um templo e a atirar os bebés do telhado para mostrar que confiavam em deus. A lenda diz que os bebés eram apanhados numa rede que aparecia miraculosamente e ficavam curados.

"A prática continua todo o ano, os bebés são atirados a partir dos dois meses, faça chuva ou faça sol - é a tradição", diz Javed Fardin Akhtar, um habitante de Sangli que testemunhou o ritual em abril passado, citado pelo The New York Times.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.