Mulheres representam apenas 35% da força de trabalho global

Estudo revela que a a igualdade de género "tarda em acontecer devido à forma como o talento feminino é gerido".

As mulheres representam, em média, apenas 35% da força de trabalho global e estima-se que em 2025 essa percentagem seja de 45%, assumindo que as organizações não alteram os seus padrões de comportamento, revela um estudo da consultora Mercer.

De acordo com o segundo relatório anual global da consultora, 'When Women Thrive' (Quando as Mulheres Prosperam, em português), a igualdade de género "tarda em acontecer devido à forma como o talento feminino é gerido".

"Prevê-se que em dez anos, a manterem-se as políticas atuais a nível de recrutamento, promoção e retenção de mulheres, apenas a América Latina atinja a paridade no que se refere à representação de mulheres em todos os níveis técnicos e superiores", diz a consultora.

Segundo a Mercer, as mulheres continuam a estar sub-representadas em termos de força de trabalho em todos os níveis de carreira, sendo que apenas entre 60% a 70% da população feminina em idade ativa está a trabalhar, contra mais de 80% nos homens.

Por outro lado, a representação das mulheres dentro das empresas diminui à medida que o nível de carreira aumenta e se elas ocupam 33% dos cargos de gestão, essa percentagem cai para 26% entre os gestores seniores e para 20% entre os gestores executivos.

Ao nível da Europa, o estudo da consultora aponta que as mulheres ocupam 21% dos cargos executivos de topo, média que em Portugal e em Espanha aumenta ligeiramente para os 24%, "cerca de 4% mais que a média global".

"Não obstante as mulheres terem atualmente 1,5 vezes mais possibilidade de serem contratadas para funções executivas do que os homens, as mulheres estão também a abandonar as funções de topo nas organizações a uma velocidade 1,3 vezes superior à dos homens, pondo em causa os benefícios que se poderia alcançar ao ter mais mulheres a serem promovidas para lugares de topo", refere a consultora.

Olhando para os rankings regionais, a Mercer prevê que entre 2015 e 2025 haja um aumento na representação feminina na força de trabalho de 36% para 49% na América Latina; de 35% para 40% na Austrália e Nova Zelândia; de 39% para 40% nos Estados Unidos e Canadá; e de 25% para 28% na Ásia.

Já a Europa irá manter-se "estagnada" nos 37%, sendo que Portugal e Espanha vão estar alinhados com esta tendência, prevendo-se um ligeiro crescimento, de 44% para 45%.

Já no que diz respeito às mulheres em cargos executivos, e admitindo que se mantêm as taxas de recrutamento, promoção e retenção de mulheres, a consultora tem a expectativa que a percentagem aumente de 20% para 37% a nível global.

No que diz respeito à equidade salarial, a Mercer salienta que Estados Unidos e Canadá lideram, com 40% das organizações a oferecerem salários semelhantes a homens e mulheres.

A consultora defende ainda que os executivos de topo se envolvam ativamente na promoção da paridade salarial e no desenvolvimento do talento feminino dentro das empresas.

O estudo da Mercer foi feito tendo por base as respostas a inquéritos de 583 organizações espalhadas por 42 países, responsáveis pelo emprego de 3,1 milhões de pessoas, incluindo 1,3 milhões de mulheres.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?