Morreu o paleontologista francês Yves Coppens, um dos "pais" de "Lucy"

Além do famoso fóssil, o de hominídeo mais completo já encontrado, no total, Yves Coppens co assina seis descobertas de hominídeos.

O paleontologista francês Yves Coppens, responsável pela descoberta de vários fósseis de hominídeos, incluindo a famosa "Lucy", morreu esta quarta-feira aos 87 anos, anunciou sua editora, Odile Jacob.

"Yves Coppens deixou-nos esta manhã. A minha tristeza é imensa", escreveu Odile Jacob, elogiando "um enorme sábio".

"Eu perco um amigo que me confiou toda a sua obra. A França perde um dos seus grandes homens", acrescentou a editora.

O cientista morreu após doença prolongada, informou ainda a editora à AFP.

Paleontólogo de renome mundial, professor emérito do Collège de France e membro da Academia de Ciências, Yves Coppens não parou de narrar a epopeia humana, com um "talento de contista, de ensaísta", disse ainda Odile Jacob.

Este caçador de fósseis apresentava-se como um dos "pais" de "Lucy", junto com os cientistas Maurice Taieb e Donald Johanson: em 1974, na depressão de Afar, na Etiópia, a equipa revelou ao mundo o fóssil de hominídeo mais completo já encontrado, de um australopiteco com 3,2 milhões de anos.

No total, Yves Coppens co assina seis descobertas de hominídeos.

Filho de um físico nuclear, nasceu em 9 de agosto de 1934 em Vannes, no oeste da França.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG