Cuidadores informais com apoio privado para testes do covid

No programa da Missão Continente estão abrangidas 70 famílias de cuidadores informais no território continental português, um total de cerca de 220 pessoas e 4000 testes a serem efetuados entre março e julho

A Missão Continente vai financiar um programa para testar cuidadores informais de todo o país.

O programa "Famílias Seguras", promovido pelo Centro de Testes de Ciências e pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, em parceria com a Associação Nacional de Cuidadores Informais, permitirá testar centenas de cuidadores informais à covid-19 durante quatro meses, recorrendo a testes de saliva.

A Missão Continente vai financiar cerca de 2700 testes, ou seja, o rastreio de cerca de 40 famílias.

Atualmente, estão abrangidas 70 famílias de cuidadores informais no território continental português, um total de cerca de 220 pessoas e 4000 testes a serem efetuados entre março e julho, podendo posteriormente alargar-se a mais famílias de todo o país.

O rastreio será feito através de testes semanais em amostras de saliva, colhidas em casa pelos próprios participantes e enviadas para testagem no Centro de Testes de Ciências.

Segundo os dados da Eurocarers, há 1,1 milhões de Cuidadores Informais em Portugal, número que terá aumentado durante a pandemia. As pessoas cuidadas pertencem muitas vezes a grupos de risco para a covid-19, com pior prognóstico da doença, surgindo neste cenário o dilema de precisarem do respetivo Cuidados Informal, ao mesmo tempo que seria preferível a ausência de contacto social.

"A missão da Faculdade é expandir o conhecimento e transferi-lo para a sociedade. Com esta iniciativa colocamos a nossa capacidade de inovação e colaboração ao serviço duma população vulnerável e que carece de muitos apoios", explica Luís Carriço, diretor da Ciências Universidade de Lisboa Lisboa, acrescentando ainda que "este é um excelente exemplo de cooperação entre a academia, a sociedade civil, empresas e instituições".

Sílvia Artilheiro Alves, presidente da ANCI, acredita que "a inclusão dos cuidadores informais neste projeto trará benefícios aos próprios cuidadores e respetivos agregados familiares; mas também trará benefícios a todos os outros cuidadores, no sentido do reconhecimento, possibilitando uma sensação de confiança e segurança, tendo em conta a vigilância ativa do programa".

"Este é um projeto que muito nos orgulha", diz Ricardo Dias, coordenador do CT Ciências ULisboa, acrescentando que "temos o dever de cuidar de quem cuida". "Ao fazê-lo damos também um sinal aos nossos alunos do papel vital que a Ciência pode ter na participação cívica e melhoria da sociedade", referiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG