Marta Temido admite professores prioritários na vacinação

Ministra da Saúde diz que vacinação de professores e funcionários das escolas ainda na primeira fase está a ser analisada não só em Portugal como em toda a UE. Quer 70% da população vacinada no final do verão

A ministra da Saúde, Marta Temido, admitiu que os professores e os funcionários das escolas poderão ser vacinados ainda na primeira fase do plano de vacinação.

"Os Professores e funcionários das escolas serem vacinados na primeira fase é uma decisão que está a ser equacionada não só em Portugal como noutros países da União Europeia. Poderá fazer sentido que adultos que trabalhem nesses locais estejam vacinados, independentemente de serem pessoas de risco ou saudáveis", afirmou a governante, em entrevista no Jornal da Noite, da SIC.

"Quando falamos de serviços essenciais, poderá fazer sentido que adultos que trabalham nesses locais tenham vacinação diferenciada", acrescentou, ciente de que poderá ir contra a opinião de vários especialistas.

Na mesma entrevista, a ministra avançou "ser natural" que o processo de desconfinamento, que será apresentado publicamente pelo Governo no dia 11 deste mês, "comece pelas escolas dos primeiros anos", mas salientou que isso é ainda "uma hipótese".

"Neste momento, consideramos que, da mesma forma que as escolas foram o espaço que mais procuramos proteger pela sua essencialidade em termos de educação e efeito no futuro da população, serão também as escolas a nossa principal preocupação no primeiro momento em que possamos fazer uma reabertura", referiu.

Marta Temido revelou ainda que a agência europeia do medicamento (EMA) ainda não concluiu se a vacina da AstraZeneca é eficaz em maiores de 65 anos. "Optámos por não vacinar inicialmente maiores de 65 anos, mas as conclusões recentes ainda não são suficientes para a agência europeia do medicamento. Optámos por decidir com base em informação técnica. A vacina da AstraZeneca não tem contraindicação, mas há incertezas sobre a eficácia", referiu.

A ministra traçou ainda o objetivo de chegar ao fim do verão com 70% da população vacinada. "Tudo depende da distribuição das vacinas, mas esperamos no final do verão ter 70% da população vacinada", frisou, salientando ainda que o possível certificado de vacinação que permitirá livre-trânsito na União Europeia será "provavelmente um bom instrumento para uma mais fácil circulação".

Acerca do rastreamento e testagem, Marta Temido garante que não houve falhas nos inquéritos epidemiológicos, mas sim "pequenos problemas", que foram ultrapassados, e reitera que pretende elevar o número de testes diários. "100 mil testes por dia? No dia em que fizemos mais testes, fizemos 77 mil testes. O objetivo é elevar o número de testes por dia em função dos rastreios para determinados focos, mas não há um número mágico. Não tenho noção do número que quero atingir, tenho noção do universo que quero cobrir", afirmou.

Sobre a mortalidade excessiva em doentes não covid, a governante reconhece que houve uma "quebra na oferta e na procura de cuidados de saúde". "Estamos a estabelecer acordos com outros setores para garantir melhor mobilização de recursos humanos. Vamos intensificar este tipo de respostas", garantiu, perspetivando investir o dinheiro da bazuca europeia reservada para a saúde em infraestruturas e equipamentos, mas que existe um enquadramento ao qual Portugal não pode escapar, nomeadamente "recomendações específicas para o país, pilares da União Europeia e opções de política".

265 mil vacinados com duas doses

603 486 pessoas (6% da população) já foram vacinadas em Portugal continental com pelo menos uma dose de uma vacina contra a covid-19, entre as quais 265 281 (3%) que já têm o processo de vacinação concluído, adianta o relatório da vacinação contra a covid-19 enviado ontem às redações.

Em relação à semana passada, mais 168 798 pessoas foram vacinadas com uma dose e 15 134 ficaram com a vacinação completa.

O grupo etário de 80 ou mais anos está em maioria no que concerne à toma de pelo menos uma dose (225 171 pessoas), mas é o grupo entre os 25 e os 49 anos que tem mais pessoas com vacinação completa (108 036).

Paralelamente, o Norte ultrapassou Lisboa e Vale do Tejo e é agora a região em que foram administradas mais doses (287 871), seguida de Lisboa e Vale do Tejo (276 186), Centro (205 049), Alentejo (64 899) e Algarve (33 361).

Portugal já recebeu um total de 1 002 999 doses de vacina e distribuiu 933 847.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG