Mário Machado vai trabalhar em escritório de advogados em liberdade condicional

Mário Machado concluiu o curso de Direito na prisão. Decidiu, "por opção própria" e com a concordância do advogado, adotar uma postura "low profile" e recusar qualquer entrevista

O antigo dirigente da Frente Nacional Mário Machado saiu em liberdade condicional na última quinta-feira, após uma década preso, período em que concluiu o curso de Direito da Universidade Autónoma, disse à agência Lusa o seu advogado.

José Manuel Castro adiantou que Mário Machado, "não obstante não ter abdicado das suas ideias, não tenciona desenvolver qualquer atividade política".

O advogado esclareceu também que Mário Machado "não está proibido de dar entrevistas", mas que "por opção própria" e com a concordância do advogado vai adotar uma postura "low profile" e recusar qualquer entrevista, pelo menos nos próximos tempos.

Mário Machado, que concluiu o curso de Direito na cadeia, vai trabalhar num escritório de advogados de Lisboa, não ainda como causídico porque falta realizar o estágio da Ordem.

Durante a liberdade condicional, o antigo líder do movimento Portugal Hammerskins (PHS), de 40 anos e pai de três filhos, será acompanhado pelos serviços Instituto de Reinserção Social.

José Manuel Castro salientou que Mário Machado esteve preso durante 10 anos e foi o recluso pós-25 de Abril que mais tempo esteve numa prisão de alta segurança (três anos), com "fundamentos mais que duvidosos".

O advogado disse esperar que a liberdade condicional permita a Mário Machado "recuperar a sua vida".

O líder nacionalista esteve perto de sair em liberdade condicional em junho do ano passado, após cumprir 5/6 de uma pena unitária de 10 anos por condenações relacionadas com discriminação racial, coação agravada, posse ilegal de arma e ofensa à integridade física qualificada, mais a condenação a dois anos e nove meses de prisão num outro processo por tentativa de extorsão

Nesse último julgamento, o advogado rejeitou, em declarações aos jornalistas, que Mário Machado seja racista, nazi e ultranacionalista, observando que o seu constituinte se assume como "nacionalista" e com um projeto político.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG