Duas mortes e 1556 novas infeções nas últimas 24 horas

Estão 427 pessoas com covid-19 internadas, sendo que 106 estão nos cuidados intensivos, segundo os dados mais recentes da Direção-Geral da Saúde.

Portugal registou mais 1556 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). No mesmo período de tempo, foram reportadas mais duas mortes devido à infeção pelo novo coronavírus, indica o relatório desta quinta-feira (24 de junho).

O registo de casos comunicado hoje pela DGS representa um novo máximo desde 19 de fevereiro, quando houve 1940 infeções em 24 horas.

A região de Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a que regista mais novas infeções, tendo atingido os 1049 casos, o que representa 67,4% do total diário. A região Norte, onde foi declarado um óbito, teve 197 novos casos, o Algarve contabilizou 130, enquanto 110 foram registados na região Centro. Alentejo teve 42 novas infeções, Açores 20 e a Madeira totalizou oito.

Nos hospitais portugueses, estão agora 427 doentes com covid-19 (menos 10 que ontem), dos quais 106 em unidades de cuidados intensivos (mais seis).

Portugal tem ainda mais 1251 contactos em vigilância, totalizando 44 670, enquanto foram dadas como recuperadas da doença mais 869 pessoas.

Há 29 697 casos ativos da infeção por SARS-CoV-2 (mais 685), indica ainda a DGS no dia em que se realiza a reunião do Conselho de Ministros. O Governo analisa a evolução da pandemia e possíveis recuos no plano de desconfinamento, nomeadamente na região de Lisboa, onde a variante Delta, associada à Índia, representa cerca de 70% dos novos contágios.

UEFA diz ser impossível associar final à evolução epidémica em Portugal

A UEFA considerou, entretanto, ser impossível detetar se a evolução epidémica em Portugal se deveu à final da Liga dos Campeões de futebol, no Porto, pois decorreu na mesma altura da permissão de entrada a turistas britânicos.

Em conferência de imprensa, na sede do organismo que regula o futebol europeu, acerca das medidas de mitigação da pandemia de covid-19 implementadas durante o Euro2020, o diretor médico do evento, Zoran Bahtijarevic, entendeu que "é muito fácil apontar o dedo à final" entre os ingleses do Chelsea e do Manchester City, no Porto.

"Na mesma semana, Portugal começou a abrir [as fronteiras] para turistas britânicos. É muito fácil apontar o dedo à final, mas, pelo meu conhecimento, todos os fãs que viajaram desde o Reino Unido fizeram teste PCR e só entraram no estádio com isso. Não sei quantos casos estão diretamente relacionados, pois muita coisa aconteceu ao mesmo tempo e é impossível saber a que se deve", afirmou.

Também esta quinta-feira ficou a saber-se que 19 reclusos do Estabelecimento Prisional de Sintra testaram positivo à covid-19. Embora estejam assintomáticos, foram encaminhados para o Hospital Prisional de São João de Deus, segundo a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP).

Em comunicado, a DGRSP explica que a deteção destes casos positivos surgiu depois de terem sido testados os 280 reclusos da ala B do estabelecimento prisional, como consequência do registo de três que tinham testado positivo.

Espanha aprova fim do uso obrigatório do uso da máscara no exterior

E enquanto os números da pandemia em Portugal apresentam uma evolução negativa, o Governo espanhol decidiu hoje que as máscaras deixam de ser de utilização obrigatória no exterior a partir deste sábado, 26 de junho, desde que a distância de segurança de um metro e meio seja respeitada.

O Conselho de Ministros espanhol flexibilizou assim as regras que há mais de um ano obrigavam, em qualquer circunstância e espaço, a utilização de máscara.

"As nossas ruas, os nossos rostos, vão começar a recuperar a sua aparência normal nos próximos dias", disse na semana passada o primeiro-ministro, Pedro Sánchez, quando a medida foi anunciada.

Em todo o mundo, a pandemia de covid-19 é responsável por quase 3,9 milhões de mortes, desde que foram detetados os primeiros casos de infeção em dezembro de 2019 na cidade chinesa de Wuhan, indica o balanço desta quinta-feira da AFP.

Os EUA são o país mais afetado com 602 837 mortes, sendo que o Brasil surge logo a seguir com 507 109.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG