Madrid não quer homens sentados de pernas abertas nos transportes públicos

Campanha da Câmara Municipal contra o "manspreading" já está em marcha e conta com novos autocolantes nos transportes públicos

A câmara municipal de Madrid decidiu lançar uma campanha contra as atitudes menos próprias de homens que se sentam nos transportes públicos de pernas abertas e ocupam um espaço maior do que deviam.

Os autocarros de Madrid vão colocar novos autocolantes contra o "manspreading", uma palavra inglesa que exprime o costume de alguns homens de se sentarem com as pernas abertas.

"Respeita o espaço dos outros" é a recomendação que vai passar a aparecer nos transportes públicos do município, ao lado de um novo autocolante, segundo indicou a autarquia em comunicado.

A câmara municipal responde desta forma a uma petição das associações Mulheres em Luta e Mães Estressadas, que pediram a colocação de sinais informativos para evitar estas atitudes masculinas.

Na carta que enviaram à autarquia, depois de terem recolhido 500 assinaturas pela sua iniciativa, estas associações explicam que deve ser acrescentado mais um autocolante nos meios de transporte ao lado de outros que já informam da existência de espaços reservados às mulheres grávidas, a pessoas com carros de bebé, de idade ou com mobilidade reduzida.

A capital espanhola vai assim seguir os passos dos transportes públicos de outras cidades que já tomaram medidas contra este tipo de comportamento masculino.

O novo autocolante apresentado vai ter uma ilustração com um homem sentado de pernas abertas a ocupar quase dois lugares e um "X" a indicar que se trata de um comportamento inaceitável.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.