Madeira com situação mais calma, mas com relativa preocupação na Calheta

Os incêndios na Calheta afetaram o abastecimento de água, mas a situação já foi resolvida

Os incêndios na Madeira acalmaram com o baixar da temperatura, existindo ainda um foco ativo, mas controlado na Calheta e equipas de prevenção no Porto Moniz, a norte, e no Funchal, para evitar reacendimentos.

Na freguesia dos Prazeres, concelho da Calheta, mantém-se ativo o foco de incêndio que, de acordo com o presidente da câmara local, Carlos Teles, irá receber um reforço de meios humanos para refrescar os bombeiros que estão no terreno.

"Continuamos com uma frente de incêndio na zona alta da freguesia e tenho a notícia de que vamos receber novos reforços por parte da Proteção Civil, no sentido de reforçar o contingente que temos no terreno, mas também para refrescar e renovar as equipas que estão no terreno", desde terça-feira à noite, adiantou.

Os incêndios na Calheta afetaram o abastecimento das estações de tratamento de água e, por isso, a autarquia tinha apelado à população para que a poupasse, sob pena de poderem ficar sem água potável, situação que o autarca garantiu estar já resolvida.

A norte, no concelho do Porto Moniz, e de acordo com fonte dos bombeiros locais, mantém-se a preocupação para que o fogo não se propague a outros locais, estando, neste momento, "a serem usadas máquinas pesadas para criar aceiros e evitar situações mais complicadas", adiantou a mesma fonte.

Já na cidade do Funchal, mantêm-se as equipas de bombeiros em prevenção apenas para evitar reacendimentos, também segundo fonte dos bombeiros locais. Os incêndios registados no concelho do Funchal provocaram três mortos e a destruição em edifícios públicos e privados avaliados em 55 milhões de euros.

As chamas obrigaram à evacuação de casas, hospitais, lares, hotéis e outros espaços. As autoridades ainda estão a contabilizar danos e a definir formas de resolver os casos dos cerca de mil desalojados.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...