Lusodescendente é "Professora do Ano" no Canadá

Dulce Moreira é professora há 19 anos na escola St. Nicholas de Barrie. Distinção foi atribuída por um jornal de Toronto

Uma professora lusodescendente no Canadá está a utilizar as novas tecnologias para cativar os estudantes, o que lhe valeu a distinção de 'Professora do Ano', atribuída por um jornal de Toronto.

"O computador pode ajudar-nos no trabalho, outras vezes nem tanto. A criança tem de apresentar a experimentar o computador, e os programas, dando-lhe a utilização devida, atualizando-se", disse Dulce Pinho Moreira, de 43 anos.

Formada em 1996 na Faculdade de Educação da Universidade de York, em Toronto, a lusodescendente é filha de emigrantes de Cantanhede (distrito de Coimbra).

"A tecnologia é uma ferramenta que incentiva os alunos. Quando queremos aparafusar algo numa parede usamos uma chave de fendas", continuou.

Dulce Moreira é professora há 19 anos na escola St. Nicholas de Barrie, a 100 km a norte de Toronto, leciona educação especial com alunos dos três aos 13 anos (jardim de infância ao grau 8).

Um dos segredos para ajudar a integração dessas crianças com dificuldades tem sido a utilização das novas tecnologias, motivo pelo que foi apelidada na escola de 'techie superwoman' (supermulher da tecnologia).

Dulce Moreira foi considerada recentemente 'Professora do Ano' pelo jornal Toronto Star, algo que a deixa feliz, pois "é bom ser reconhecida pelo trabalho".

"Isto para mim não é trabalho. Faço-o com uma grande vontade. Gosto de ajudar as crianças e ver o seu sucesso", disse.

A escola de St. Nicholas em Barrie tem cerca de 260 alunos, 15 a 20 são portugueses ou lusodescendentes, e estão bem integrados. Atualmente na sua turma não há nenhuma criança portuguesa com necessidade de educação especial, disse.

A leitura pode ser uma ferramenta importante para o sucesso no futuro das crianças, defendeu a professora.

"Uma criança que tem problemas na leitura terá muitas dificuldades de sucesso na vida. Os pais devem incentivá-los a ler em casa e devem acompanhá-los na leitura", sublinhou.

"Em casa sempre me disponibilizaram imensos livros. Quando tentaram ler comigo, era complicado, pois o seu inglês não era muito bom, como era natural, pois eram emigrantes", afirmou.

Muitos dos seus alunos têm uma "pequena limitação no cérebro", algo que lhes dificulta na leitura, motivo por que essas crianças necessitam de um "acompanhamento especial".

Dulce Moreira, antes de lecionar em Barrie, esteve no Japão entre 1996 e 1997, durante um ano, a dar aulas de inglês. Deu também aulas de português a japoneses de origem brasileira, em regime de voluntariado.

Oficialmente, há 429 mil portugueses e lusodescendentes no Canadá (censos 2011), mas calcula-se que existam cerca de 550 mil, estando a grande maioria localizada na província do Ontário. Estima-se que entre 60% a 70% sejam de origem açoriana.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...