Loja do Cidadão pioneira tem 28 milhões de atendimentos

A Loja do Cidadão das Laranjeiras é a primeira loja do género do país, inaugurada a 27 de abril de 1999. Fez mais de 28 milhões de atendimentos.

As filas começam ainda o dia não nasceu, tudo para apanhar uma senha para os serviços da Segurança Social. Idosos, grávidas, doentes, desempregados e utentes em geral têm neste balcão da Loja do Cidadão das Laranjeiras os maiores tempos de espera para se ser atendido. E, quem não chega cedo, corre o risco de voltar para trás sem respostas.

A Loja do Cidadão das Laranjeiras estende-se por três pisos e fica muito perto do metro, o que facilita o acesso aos utentes. Com o encerramento da Loja dos Restauradores, a 31 de dezembro de 2013, aumentou o fluxo de pessoas, já que as alternativas no concelho de Lisboa reduzem-se, agora, a Marvila. Ou seja, por mais unidades que tenham aberto nos últimos 17 anos, o número de atendimentos está sempre a aumentar. Existem 41 Lojas do Cidadão espalhadas pelo país.

Às 15.05 de ontem já não havia senhas para os beneficiários da Segurança Social e "este nem foi um mau dia", garante quem espera há duas horas para ser atendido. É o serviço que tem mais gente, tenham ou não uma senha na mão. Foram informados que, muito provavelmente, haverá uma nova distribuição às 17.30. Aliás, este até pode ser um conselho para quem precisa de recorrer aos organismo públicos, sobretudo aqueles em que as senhas de atendimento esgotam cedo. Ir ao fim do dia em vez de madrugar. Muitas vezes, os funcionários acabam por atender mais pessoas do que o previsto inicialmente porque há sempre quem desespere pela demora e desista.

Na Loja do Cidadão das Laranjeiras, o piso do rés-do-chão e o 3.º piso são os que têm uma maior afluência. À entrada estão as empresas: telecomunicações, energia e correios, além do Instituto dos Registos e do Notariado, onde se tira o Cartão de Cidadão e que já conheceu grandes filas, situação que nesta altura do ano está ultrapassada. No último andar estão os serviços da Segurança Social.

A Loja disponibiliza ainda um Espaço do Cidadão, que proporciona um atendimento digital, através do qual os utentes podem seguir todos os passos. Fica no 2.º piso e veio substituir o Balcão Multiserviços, onde funcionam uma multiplicidade de organismos públicos, como Instituto da Mobilidade e dos Transportes e a ADSE.

O DN fez a visita acompanhada por uma das três coordenadoras do espaço que não tem autorização para falar com a imprensa. Perguntas só com respostas por escrito e, essas, não chegaram até ao fecho desta edição. A loja tem 1,2 milhões de atendimentos por ano, cerca de 3300 por dia. Os utentes esperam 40 minutos e 25 segundos em média para serem recebidos pelos funcionários, com um tempo médio de atendimento de 6 minutos e 21 segundos. "Aproximar os cidadãos e empresários aos serviços prestados pela administração pública, simplificando processos administrativos e facilitando o atendimento", é a missão da Loja do Cidadão das Laranjeiras.

O DN está a publicar uma série de reportagens dedicadas à sua nova vizinhança, junto às Torres de Lisboa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG