Isolamento em caso suspeito da variante Ómicron é de 14 dias

"São medidas temporárias de precaução até termos mais informação científica", explicou Graça Freitas.

O período de isolamento para casos de covid-19 suspeitos de contaminação com a variante Ómicron foi alargado para 14 dias (atualmente são 10 dias), por ainda se desconhecer o comportamento da nova variante, disse esta quinta-feira a diretora-geral da Saúde.

"São medidas temporárias de precaução até termos mais informação científica que nos explique melhor como é que a variante se comporta, se tem o mesmo período de incubação, se tem o mesmo período de infecciosidade", explicou Graça Freitas.

A diretora-geral da Saúde, que falava hoje no Montijo (distrito de Setúbal) no final de uma cerimónia de apresentação de um projeto escolar para aumentar a literacia em saúde, acrescentou que esta orientação foi já emitida e determina ainda um rastreio de contactos mais alargado.

"Se houver suspeita que um surto, um caso tem alguma ligação com a hipótese da variante nova, a Ómicron, então os contactos são isolados de uma forma mais alargada e por um período maior", disse.

A nova variante, a Ómicron, classificada como "preocupante" pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em 57 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG