Maior plantação de canábis em Portugal começou a ser cultivada há duas semanas

No verão, a empresa teve luz verde do Governo para avançar com o projeto que, há duas semanas, começou a ganhar forma.

A maior plantação de canábis para fins medicinais começou a ser cultivada em Portugal há duas semanas e, em breve, serão mais de cem mil plantas, anunciou hoje o presidente da empresa canadiana Tilray na Web Summit.

Depois de um ano a viajar por todo o mundo, a Tilray escolheu o Parque Tecnológico de Cantanhede, no distrito de Coimbra, para instalar a sua produção de canábis. No verão, a empresa teve luz verde do Governo para avançar com o projeto que, há duas semanas, começou a ganhar forma.

"Começámos a plantar há duas semanas, mas as plantas ainda são muito pequenas. Têm cerca de dez centímetros", contou à Lusa Brendan Kennedy, diretor-executivo da Tilray, no final da sua apresentação na Web Summit, que começou na terça-feira em Lisboa e termina hoje.

Dentro de poucos meses, contou, estas plantas "terão entre um a dois metros" e a meta da empresa é ter "mais de cem mil plantas" para exportar para países que a queiram usar para fins medicinais.

Alemanha, Croácia e Chipre são alguns dos países que em breve vão começar a importar canábis plantada em Cantanhede.

A Tilray vai investir cerca de 20 milhões de euros até 2020 num negócio que deverá criar cem empregos.

Também presente na Web Summit, João Moura, presidente do Parque Tecnológico de Cantanhede, o Biocant, acredita que a empresa canadiana poderá vir a contratar investigadores portugueses.

Neste momento, acrescentou João Moura, a Tilray já utiliza os laboratórios do parque para fazer investigação.

"A Biocant tem cerca de 300 quadros altamente qualificados e esperamos que a Tilray aproveite esta mais-valia", disse à Lusa o responsável pelo Biocant.

A existência de trabalhadores com formação na área da produção agrícola, assim como a comunidade de investigadores, que "pode levar a cabo investigação nas áreas da biotecnologia e das ciências da vida" foram duas das razões apontadas por Brendan Kennedy para escolher Portugal. A outra razão foi "o clima ideal para o crescimento da planta".

A Web Summit termina hoje após ter começado na segunda-feira no Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL).

Segundo a organização, nesta segunda edição do evento em Portugal, participam 59.115 pessoas de 170 países, entre os quais mais de 1.200 oradores, 1.400 investidores e 2.500 jornalistas.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa por três anos, com possibilidade de mais dois de permanência na capital portuguesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.