Voluntários ajudam Santa Casa a reparar casas

Iniciativa tem como objetivo reparar habitações de idosos carenciados, utentes da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

Maria Filomena Viana "ganhou" esta quarta-feira uma casa nova. Vive sozinha em Mem-Martins (Sintra), anda de cadeira de rodas, e a casa que herdou dos pais já tinha demasiados problemas. Agora, não. Desde hoje tem uma habitação remodelada que lhe permite, aos 56 anos, ter uma melhor qualidade de vida.

Esta utente do Centro de Medicina e Reabilitação de Alcoitão é a primeira pessoa desta unidade a beneficiar do apoio do programa "Reparar", da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, iniciativa que desafia voluntários e empresas a associarem-se à remodelação de casas degradadas de pessoas idosas, utentes da Santa Casa, nos concelhos de Lisboa, Oeiras, Amadora, Odivelas, Loures, Cascais e Sintra.

A recuperação da casa de Maria Filomena Viana contou com a ajuda de 15 voluntários da SCML e a remodelação foi quase total. Foram reparados pavimentos, os tetos e as paredes pintados de novo. As janelas e portas também foram reparadas e a equipa procedeu ainda à execução de uma rampa para facilitar a entrada da cadeira de rodas, num investimento de quase 4000 euros.

Este programa de voluntariado vai na quinta edição e conta com uma centena de casas recuperadas num investimento conjunto de 364 000 euros, entre a Santa Casa e 56 empresas que apadrinham a ação. O "Reparar" pretende, este ano, reparar 24 casas de utentes do Serviço de Apoio Domiciliário e do Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, com o objetivo de melhorar as condições de habitabilidade e de conforto de pessoas carenciadas, preferencialmente de idosos apoiados pela Misericórdia de Lisboa; promover o voluntariado corporativo como estratégia fundamental na política de responsabilidade social das empresas e da sua intervenção na comunidade envolvente; alertar e sensibilizar a sociedade portuguesa para as consequências do envelhecimento demográfico, nomeadamente no que se refere ao empobrecimento, isolamento, solidão e desamparo das pessoas mais idosas e melhorar as condições de habitabilidade dos utentes do Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão que, depois de terem alta, precisam de ver as suas casas adaptadas de maneira a terem maior mobilidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.