Uma super-lua "azul" para ver esta noite

É a segunda do mês e a última do ano. Amanhã há eclipse, mas não será visível de Portugal

Se esta terça-feira à noite olhar para o céu e a Lua parecer um pouco maior e um pouco mais brilhante não é impressão sua. Hoje é noite de Super Lua, a segunda e última de 2018.

Mas o que é uma Super Lua? A definição do Observatório Astronómico de Lisboa é a seguinte: "fala-se em Super Lua sempre que o instante de Lua Cheia ocorre quando a Lua está a uma distância da Terra inferior a 110% do perigeu da sua órbita". Ou seja, quando no seu percurso à volta da Terra, que não é um circulo perfeito, a Lua chega a uma parte em que está mais próxima (o perigeu) e nessa altura há a coincidência de estar na fase Lua Cheia (que é atingida amanhã às 13.27).

Neste caso, o perigeu ocorreu às 9:57, altura em que o satélite da Terra esteve a 358 993,524 quilómetros. No entanto, a Lua só nasce no céu às 16.48 (Porto), quando o sol ainda não se pôs - em Lisboa, apenas uns momentos mais tarde, às 16.56.

Associado a esta Super Lua surge um outro fenómeno, a chamada Lua Azul. Este é o nome que se dá à segunda Lua Cheia do mês - o que acontece ocasionalmente devido ao facto de a Lua precisar de 29,5 dias para completar uma órbita, menos de um mês.

De acordo com o Observatório Astronómico de Lisboa, "a origem da designação lua azul remonta ao século XVI, quando algumas pessoas que observavam a Lua a olho nu achavam que ela era azul". Segundo a mesma fonte, "anos depois, discussões a respeito deste assunto, mostraram que era um absurdo a lua ser azul, o que gerou um novo conceito para lua azul como significado de 'nunca'. Com esse significado de algo muito raro, começou-se a dizer que a segunda Lua Cheia de um mês era uma Lua Azul".

Amanhã haverá também um eclipse, mas este não será visível de Portugal já que Lua entra na penumbra às 10:49 do dia 31 de janeiro e sai às 16:10, indica o Observatório Astronómico de Lisboa.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.