Robot com Inteligência Artificial já atende pacientes em ambulatório

Designado por "Doutor Assistente IA" e desenvolvido pela firma chinesa iFlytek, tem um aspeto humanoide com grandes olhos azuis e um sorriso permanente

Um robot dotado com Inteligência Artificial (IA), que lhe permite diagnosticar pacientes e passar-lhes receitas, começou a operar num ambulatório da província chinesa de Anhui, leste da China, noticiou esta segunda-feira a agência oficial Xinhua.

Designado "Doutor Assistente IA" e desenvolvido pela firma chinesa iFlytek, o robot tem um aspeto humanoide, com grandes olhos azuis e um sorriso permanente.

O sistema baseia-se nos diagnósticos e receitas de outros médicos, armazenados na sua memória.

No ano passado, aquele robot converteu-se no primeiro do mundo a passar os exames para obter a licença para exercer medicina.

Numa fase inicial, os diagnósticos do robot terão que ser confirmados por um médico humano, detalha a Xinhua.

A China é um dos países líderes na investigação de IA e robótica.

Os robots são utilizados na China já em várias áreas, incluindo redação de notícias ou no cuidado de crianças e idosos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.