PGR abre inquérito a violação de segredo de justiça na Operação Lex

Procuradora-geral da República disse no Funchal que os legisladores qualificam crime de violação de segredo de justiça como "pouco grave".

Joana Marques Vidal adiantou na tarde desta sexta-feira que a PGR vai abrir um inquérito à violação do segredo de justiça, no âmbito da Operação Lex.

Falando aos jornalistas no Funchal, onde participou nos trabalhos do primeiro dia do XI Congresso do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, a procuradora-geral da República alertou para a necessidade de existir um "compromisso sério, profundo, para evitar a violação do segredo de justiça ou é muito complicado".

A responsável pelo Ministério Público referiu-se ao facto de alguns meios de comunicação social terem sabido com antecipação das buscas a casa do juiz desembargador Rui Rangel e do presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira. "Que eu saiba, participaram mais de 100 pessoas" nas buscas, fez questão de referir. "É preciso uma reflexão completa, um compromisso dos intervenientes", frisou.

Neste primeiro dia do congresso, e no âmbito do segredo de justiça, foi anunciado que a Ordem dos Advogados, o Supremo Tribunal de Justiça e a Procuradoria-geral da República vão lançar este ano um inquérito para averiguar a opinião dos portugueses sobre o sistema judiciário, disse hoje o bastonário dos advogados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.