PE aprova medidas para prevenir ciberataques e abusos sexuais via internet

O Parlamento Europeu (PE) aprovou hoje, em Estrasburgo, medidas para prevenir ciberataques e abusos sexuais na internet, prevendo um reforço da cooperação entre os Estados-membros para reduzir a vulnerabilidade da União Europeia (UE).

Num relatório hoje aprovado por 603 votos a favor, 27 contra e 39 abstenções, os eurodeputados consideram que as medidas de prevenção contra os ciberataques tomadas por utilizadores individuais, instituições públicas e empresas "continuam a ser totalmente desadequadas, em especial devido à falta de conhecimentos e recursos".

O texto sustenta que a UE deve reforçar a cooperação e o intercâmbio de informações entre as autoridades policiais e judiciais e os peritos em cibercriminalidade para a realização de "investigações eficazes no ciberespaço" e a "obtenção de provas eletrónicas", disse hoje o PE.

A assembleia europeia quer que o executivo comunitário invista na defesa e na resiliência das infraestruturas críticas a fim de "reduzir a vulnerabilidade da UE a graves ciberataques provenientes de grandes organizações criminosas, patrocinados por Estados ou perpetrados por grupos terroristas".

Segundo o relatório, a Eurojust e a Europol devem ser dotadas de meios adequados para melhorar a identificação das vítimas, combater as redes organizadas de agressores sexuais e acelerar a deteção, análise e encaminhamento de material pedopornográfico tanto na internet como fora dela.

Os eurodeputados propõem, assim, medidas como a criação de uma "base de dados para registar todos os tipos de cibercriminalidade" e monitorizar a sua evolução, bem como a partilha de informação entre Estados-membros sobre ciberataques e medidas para os enfrentar, nomeadamente através da Eurojust, da Europol e da agência da UE para a Segurança das Redes e da Informação (Enisa).

O relatório prevê que os Estados-Membros colaborem com a comunidade do setor da segurança das TIC e encorajá-la a desempenhar um papel mais ativo na pirataria ética ("white hat hacking") e na denúncia de conteúdos ilegais, como os materiais pedopornográficos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.