Há esperança para o achado "único no mundo". Património avalia naufrágios no Tejo

Direção-Geral confirma que recebeu documentação sobre os achados e que iniciou processo sobre eles

A Direção Geral do Património Cultural (DGPC) está a avaliar os achados dos dois naufrágios no Tejo que lhe foram comunicados a 20 de Outubro, bem como a sua primeira avaliação científica por uma equipa coordenada pelo arqueólogo subaquático Alexandre Monteiro, "para eventual proposta ulterior das ações necessárias à sua salvaguarda e conservação".

A informação foi prestada ao DN pela DGPC, na sequência da notícia "Achado de naufrágio no Tejo, "único no mundo, pode estar em risco"", publicada no DN na última sexta-feira.

A descoberta dos dois navios, um provavelmente do século XVII, o outro anterior ao século XIX, e com características "únicas no mundo", segundo Alexandre Monteiro, foi feita a 19 de Outubro por dois mariscadores profissionais, Sandro Pinto e Pedro Patacas, que decidiram contactar Alexandre Monteiro, e que, logo a 20 de Outubro, comunicaram o achado à DGPC. Na primeira avaliação no local, cujo relatório também foi remetido à DGPC, o arqueólogo e a sua equipa confirmaram a importância desta descoberta.

Num dos casos, o navio naufragado - o que é anterior ao século XIX e que ficou designado como Tejo B - está num "estado de preservação incrível, e com uma carga única de centenas de barris", cujo conteúdo é ainda um mistério, a exigir um estudo.

O seu estado de preservação indica que o navio esteve sepultado nas areias durante séculos e que só recentemente, por qualquer motivo, ficou destapado. Mas isso implica também que no local onde se encontra afundado, entre a Trafaria e o Bugio, a uma profundidade entre sete e nove metros, está sujeito a tempestades que podem dispersar os barris e destruir o navio e a sua carga. Por isso Alexandre Monteiro afirmava ao DN, no artigo publicado na sexta-feira, ser necessário "um estudo urgente para perceber a dinâmica do local" e para se "saber o que se faz, se se tapa, se põem sacos de areia", sendo que "é a DGPC que tem de fazer alguma coisa"

Tal como a lei prevê, os autores do achado comunicaram-no no prazo de 48 horas, a 20 de Outubro, à Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), que tem agora até 20 de janeiro para concluir um processo de avaliação e classificação dos dois locais dos naufrágios e, eventualmente, fazer a sua preservação. A DGPC confirmou agora que esse processo está em curso.

A equipa de Alexandre Monteiro está, entretanto, a preparar a publicação do primeiro artigo científico sobre o duplo achado, o que ocorrerá já em janeiro, na revista Al-Madan, que é editada pelo Centro de Arqueologia de Almada.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.