Morreu a jornalista Lília Bernardes

A jornalista Lília Bernardes, atual adjunta do governo regional da Madeira, foi correspondente do DN durante mais de duas décadas

A antiga jornalista Lília Bernardes morreu esta noite de terça-feira, aos 60 anos, escreve o Diário de Notícias da Madeira. Lília Bernardes foi correspondente do DN durante mais de duas décadas. Atualmente, era adjunta do Governo Regional da Madeira.

Fonte do Governo Regional disse à agência Lusa que a jornalista morreu no Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal, na sequência de doença prolongada.

Lília Bernardes licenciou-se em Comunicação, Cultura e Organizações pela Universidade da Madeira, e fez ainda uma pós-graduação em Guerra de Informação/Competitive Intelligence na Academia Militar. Foi em 1993 que enveredou pelo jornalismo, tendo sido criada uma delegação do DN na Madeira em 1995 para a proteger das pressões políticas. Foi correspondente do DN até outubro de 2014.

A jornalista também fazia participações frequentes na RTP Madeira, em programas como Tem a Palavra, Parlamento e Negócios em Dia.

Numa entrevista em 2011 a João de Almeida Dias, Lília Bernardes garantia que, ao longo das suas mais de duas décadas enquanto jornalista, tinha sido processada dez vezes. "Mas nunca perdi nenhum processo", acrescentou. "Desses dez, muitos nunca chegaram a fase de julgamento, eram retirados. Ou seja, durante muito tempo serviram como medida de coação". Mas a jornalista reiterava: "No jornalismo, quando perdemos a imparcialidade, mais vale mudarmos de profissão".

Lília Bernardes deixa uma filha maior de idade.

O funeral vai decorrer amanhã às 12.30 em São Martinho, Funchal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.