Lesados por perturbações na Soflusa poderão não ser reembolsados

"Lacuna na legislação" não protege portadores de passe e também não se aplica a tipo de bilhetes sem hora marcada, adianta a DECO

Os passageiros que esta semana têm sido prejudicados pelas perturbações na ligação fluvial entre Barreiro e Lisboa assegurada pela operadora Soflusa, devido a "indisponibilidade da frota", poderão não vir a ser reembolsados.

"O reembolso não se aplica a tipo de bilhetes sem hora marcada ou a passes. É uma lacuna na legislação, que temos procurado evidenciar. Os portadores de passes não estão protegidos", esclareceu ao DN uma jurista da DECO, Rosário Tereso.

De acordo com a mesma fonte, "os passageiros podem pedir uma indemnização de acordo com as normas da transportadora em matéria de indemnizações", uma informação inacessível no site da Soflusa.

Rosário Tereso adianta ainda que "só quando o atraso for superior a 90 minutos é que os passageiros terão direito a escolher entre uma alternativa sem mais custos ou o reembolso do bilhete", isto se o bilhete tiver hora estipulada.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.