Cerca de 1500 operacionais combatem fogos "no pior dia do ano em matéria de incêndios florestais"

Fogos em Monção, o de Seia, o de Vale de Cambra, Lousã, Sertã e Arganil destacam-se como os mais graves

Este está a ser "o pior dia do ano em matéria de incêndios florestais", disse hoje a porta-voz da proteção Civil. "Já ultrapassámos os 303 incêndios desde a meia-noite", afirmou Patrícia Gaspar, no 'briefing' das 17:30 aos jornalistas, sublinhando que estavam àquela hora "todos os meios disponíveis empenhados no combate aos incêndios".

Às 17:30 existiam 13 incêndios de importância elevada, destacando-se como mais graves os de Monção, o de Seia, o de Vale de Cambra, Lousã, Sertã e Arganil. Cerca de 1500 operacionais combatiam as chamas no terreno.

Patrícia Gaspar, adjunta do comando nacional da ANPC, disse à agência Lusa que os incêndios que mobilizam o maior número de meios são os que lavram nos concelhos de Monção (Viana do Castelo), Seia (Guarda) e Lousã (Coimbra).

No caso do incêndio de Monção, que começou às 20:21 de sábado, Patrícia Gaspar adiantou que dois idosos foram retirados da localidade de Bela "por prevenção devido ao fumo" e duas casas foram afetadas pelas chamas em S. Paio e Velhas, sendo uma das habitações desabitada.

A mesma responsável afirmou que estão meios de socorro no local para garantir a proteção das habitações em cinco localidades do concelho de Monção, que está a ser combatido por 172 operacionais, 55 viaturas e dois meios aéreos.

A vice-presidente da câmara de Monção disse, entretanto, à Lusa que este incêndio encontra-se "completamente descontrolado" e já "consumiu" várias casas.

Patrícia Gaspar disse que o incêndio que lavra no concelho da Lousã "está intenso e muito ativo". Este incêndio tem três frentes ativas e levou, às 13:00, a evacuação das localidades de Serpins, Alcaide, Póvoa e Boque, na freguesia de Serpins e em território da União de Freguesia de Lousã e Vilarinho, adiantou um oficial do Comando Territorial de Coimbra da GNR.

O fogo em mato e pinhal que deflagrou às 06:03 de hoje no concelho de Seia é "de grande dimensão e tem quatro frentes ativas", adiantou Patrícia Gaspar, sustentando que já foram retiradas pessoas das casas e estão meios de proteção em várias aldeias.

Cerca de 30 pessoas foram retiradas das suas casas por precaução em aldeias do concelho de Seia, onde lavra um incêndio florestal, disse o presidente da Câmara, Carlos Filipe Camelo, à agência Lusa.

No combate às chamas estão 263 operacionais, 83 viaturas e um meio aéreo.

Patrícia Gaspar adiantou ainda que também no concelho da Guarda há outro incêndio de grande dimensão a lavrar, além dos fogos nos distritos de Viseu e Braga.

A adjunta do comando nacional da ANPC disse ainda que desde as 00:00 de hoje registaram-se 129 incêndios florestais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.