Igreja no Chiado alvo de vandalismo. Fachada ficou negra devido a fogo posto

Autoridades estão a investigar incêndio registado no passado domingo

A Igreja de Nossa Senhora do Loreto, no Chiado, em Lisboa, terá sido alvo de um ato de vandalismo no passado fim de semana. Uma parte da fachada do lado direito, acima da escadaria do edifício, ficou pintada de negro, alegadamente devido a fogo posto.

Ao DN, fonte do Comando da PSP de Lisboa revelou que o incêndio foi registado pelos agentes que faziam ronda no local na madrugada de domingo, dia 19 de novembro, às 4:19. O caso está a ser investigado pelas autoridades.

De acordo com "O Corvo", que dá conta de acontecimentos relevantes na capital, suspeita-se de que o incêndio tenha sido ateado junto à estrutura de um andaime no local, que ali se encontra porque estão a decorrer obras dentro do edifício. Outros focos de incêndio foram detetados na mesma zona da cidade, tendo sido queimados, por exemplo, alguns caixotes do lixo.

Giuseppe Maria Negri, provedor da Igreja do Loreto, que é também conhecida como Igreja dos Italianos, disse ao "Corvo" que o incêndio terá sido intencional, sem acrescentar detalhes. Fonte da paróquia revelou também ao "Corvo" que os estragos não foram graves, mas será necessário limpar a pedra que ficou enegrecida.

A Igreja de Nossa Senhora do Loreto foi construída em 1518, a pedido dos italianos que residiam em Portugal, e foi destruída no terramoto de 1755, tendo sido restaurada após o sismo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.