Esta foto correu mundo. Mas o autor está praticamente isolado

Hélio Madeiras fez a fotografia em Vieira de Leiria que se tornou símbolo dos incêndios. É bombeiro e só volta a casa na quinta-feira

Eram cerca de 18:00 de domingo quando Hélio Madeiras, 36 anos, subiu à torre dos bombeiros de Vieira de Leiria e, com o telemóvel, tirou a fotografia que se tornou símbolo desta vaga de incêndios, que fez 37 vítimas mortais. Desde então, a imagem já correu mundo, dos Estados Unidos à China. "Não tenho bem a perceção do que aconteceu", conta ao DN o bombeiro, que agora está em Oliveira de Frades.

"Desde domingo que estamos praticamente isolados. As comunicações estão cortadas, a internet é escassa...", resume Hélio Madeiras. Mas, nos momentos em que teve contacto com o mundo, viu os contactos de "jornalistas de todo o mundo" a pedir-lhe autorização para usar a imagem. Da China, aos Estados Unidos, sem esquecer vários países da Europa e a agência da ONU para as alterações climáticas.

Sem tempo para responder a todas as solicitações ou para ler todos os comentários à cena dantesca que se vê na imagem, Hélio Madeiras reparou contudo que muitos chegaram a duvidar da veracidade da fotografia tal era a dimensão da coluna de fumo que se via. "Tive alguém que me enviou uma mensagem a pedir desculpa por ter duvidado", conta este bombeiro, que é voluntário há 19 anos e que está há 12 na Força Especial de Bombeiros, atuando, no inverno, como recuperador salvador na Autoridade Nacional de Proteção Civil.

Fez a fotografia, mas não foi combater aquele incêndio com os voluntários de Vieira de Leiria. Estava já mobilizado para ir para Cinfães com a Força Especial de Bombeiros. "Na viagem apanhámos cenários dantescos", diz. Depois seguiu para Oliveira de Frades, onde celebrou o 26.º aniversário no meio do fogo. "Tive muitas velas para apagar", comenta com uma dose grande de humor negro. É lá que estará até quinta-feira, agora com a situação já mais calma.

Gestor da página de Facebook dos bombeiros, diz que tem muitas mais fotografias como aquela e outras que mostram o trabalho dos bombeiros nas várias vertentes da atividade.

O número de mortos causados pelos incêndios que deflagraram no domingo aumentou para 37, segundo anunciou hoje a Autoridade Nacional da Proteção Civil. A adjunta de operações, Patrícia Gaspar, revelou que o número de mortes aumentou na sequência da morte, hoje, de uma pessoa que estava internada no hospital de Coimbra.

A mesma responsável disse ainda que seis dos sete desaparecidos foram encontrados com vida.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.