Grandes empresas promovem automóveis do futuro a hidrogénio

Entre as marcas que apoiam esta recomendação estão os fabricantes de automóveis BMW, Daimler, Honda, Hyundai e Toyota, e as companhias de gases industriais Air Liquide e Linde

Um grupo de empresas europeias e asiáticas juntaram-se para promover a utilização de hidrogénio como combustível limpo, permitindo reduzir a emissão de gases com efeito de estufa, responsáveis pelas alterações climáticas.

Realizado no âmbito dos eventos paralelos ao Fórum Económico Mundial, o primeiro Conselho do Hidrogénio reuniu 13 empresas, entre as quais os fabricantes de automóveis BMW, Daimler, Honda, Hyundai e Toyota, e as companhias de gases industriais Air Liquide e Linde.

O 47.º Fórum Económico Mundial, em Davos, começou na terça-feira e decorre até sexta-feira, reunindo na estância de inverno suíça cerca de 3.000 dirigentes políticos e económicos mundiais, entre os quais o primeiro-ministro português, António Costa, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, o secretário-geral da ONU, António Guterres, o banqueiro português Horta Osório e o comissário europeu Carlos Moedas.

Os cientistas têm procurado encontrar formas eficientes de substituir os combustíveis tradicionais, gasolina e gasóleo, por hidrogénio, nos automóveis, para permitir que o resultado da combustão seja vapor de água e não gases com efeito de estufa.

O diretor executivo da Air Liquide, Benoit Potier, descreveu o conselho como "líderes do setor da energia, transportes e indústria a juntar esforços para expressar uma visão comum sobre o papel chave que o hidrogénio vai desempenhar no futuro", na tarefa de encontrar uma solução para a transição energética.

As empresas vão partilhar informação e investigação para tornar as tecnologias com hidrogénio rentáveis, assim como trabalhar a nível internacional para ajudar a acelerar da sua adoção.

Também vão tentar convencer os governos a apoiar a tecnologia, outra condição indispensável para o sucesso daqueles projetos.

"No nível atual, a menos que tenhamos um forte apoio governamental, esta transformação" para uma sociedade descarbonizada "é impossível".

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."