Morreram os dois irmãos que desapareceram no Rio Vouga

Menina de 14 anos foi resgatada inconsciente e morreu a caminho do hospital. Irmão de 11 foi retirado da água já sem vida

Segundo a fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Aveiro, trata-se de dois irmãos de 11 e 14 anos que desapareceram ao início da tarde quando tomavam banho nas águas do rio Vouga, junto à ponte de Sernada, Macinhata do Vouga, Águeda.

A menina de 14 anos foi resgatada inconsciente da água e morreu a caminho do Hospital de Aveiro.

O irmão de 11 anos foi resgatado sem vida.

No local encontram-se meios de quatro corporações de bombeiros, mobilizadas após o alerta dado às 14:30 pelo CDOS distrital.

Segundo informação do jornal Soberania do Povo, a menina tentou salvar o irmão quando percebeu que ele estava em dificuldades.

Segundo disse à agência Lusa fonte dos Bombeiros Voluntários de Águeda, que têm no local sete viaturas, nas buscas participam ainda elementos dos Voluntários de Albergaria-a-Velha e de Sever do Vouga e ainda meios dos Bombeiros Novos de Aveiro.

De acordo com os bombeiros de Águeda, o local onde as crianças tomavam banho não está classificado como praia fluvial, mas é uma zona do rio Vouga que, pelas condições que apresenta, é por alguns frequentada como tal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.