Detetados 95 novos planetas fora do Sistema Solar

Os novos exoplanetas foram identificados a partir de uma lista de 275 candidatos

O telescópio norte-americano Kepler detetou 95 novos planetas fora do Sistema Solar, divulgou esta quinta-feira a Universidade Técnica da Dinamarca, que participou na investigação.

Os novos exoplanetas foram identificados de uma lista de 275 candidatos, dos quais foram validados 149 como verdadeiros. Contudo, destes apenas 95 eram novos.

Os resultados da descoberta, que envolveu uma equipa internacional de astrónomos a analisar os dados, foram publicados na revista científica Astronomical Journal.

Os 95 planetas extrassolares vêm engrossar a lista de exoplanetas, que totalizam 3.600 com tamanhos variáveis entre Terra e Júpiter.

O telescópio Kepler foi lançado em 2009 para 'caçar' exoplanetas numa determinada zona do céu.

Os planetas extrassolares são detetados a partir da redução do brilho da estrela-hospedeira quando o planeta passa em sua frente (método de trânsito).

Com o novo telescópio espacial James Webb, cujo lançamento está previsto para 2019, com um ano de atraso, os astrónomos esperam estudar e caracterizar melhor exoplanetas do tamanho da Terra capazes de eventualmente suportar vida tal como se conhece.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.