Detetados 95 novos planetas fora do Sistema Solar

Os novos exoplanetas foram identificados a partir de uma lista de 275 candidatos

O telescópio norte-americano Kepler detetou 95 novos planetas fora do Sistema Solar, divulgou esta quinta-feira a Universidade Técnica da Dinamarca, que participou na investigação.

Os novos exoplanetas foram identificados de uma lista de 275 candidatos, dos quais foram validados 149 como verdadeiros. Contudo, destes apenas 95 eram novos.

Os resultados da descoberta, que envolveu uma equipa internacional de astrónomos a analisar os dados, foram publicados na revista científica Astronomical Journal.

Os 95 planetas extrassolares vêm engrossar a lista de exoplanetas, que totalizam 3.600 com tamanhos variáveis entre Terra e Júpiter.

O telescópio Kepler foi lançado em 2009 para 'caçar' exoplanetas numa determinada zona do céu.

Os planetas extrassolares são detetados a partir da redução do brilho da estrela-hospedeira quando o planeta passa em sua frente (método de trânsito).

Com o novo telescópio espacial James Webb, cujo lançamento está previsto para 2019, com um ano de atraso, os astrónomos esperam estudar e caracterizar melhor exoplanetas do tamanho da Terra capazes de eventualmente suportar vida tal como se conhece.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.