Descoberto esqueleto de homem que morreu esmagado a tentar fugir de Pompeia

O diretor da escavação, Massimo Osanna, considerou esta descoberta "excecional"

Arqueólogos italianos descobriram o esqueleto de um homem que morreu esmagado por uma enorme pedra quando tentava escapar à erupção do Vesúvio, em 79 AD.

A vítima teria mais de 30 anos e uma infeção na perna que pode ter dificultado a fuga, já que terá sobrevivido à primeira fase da erupção - morreu com o tórax esmagado por uma pedra que terá caído de um edifício, explicam os arqueólogos.

Responsáveis pelo sítio arqueológico divulgaram esta terça-feira imagens dos restos mortais, nas quais é visível também a ausência do crânio, que não foi encontrado.

O diretor da escavação, Massimo Osanna, considerou esta descoberta "excecional".

Mais de mil vítimas da erupção catastrófica do Vesúvio foram encontradas e escavadas em Pompeia desde que os primeiros restos mortais foram encontrados, no século XVIII.

Grande parte da cidade romana permanece enterrada debaixo das várias camadas de cinza expelidas pelo vulcão, mas o que foi escavado permitiu um retrato instantâneo daquela sociedade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.