Descoberto esqueleto de homem que morreu esmagado a tentar fugir de Pompeia

O diretor da escavação, Massimo Osanna, considerou esta descoberta "excecional"

Arqueólogos italianos descobriram o esqueleto de um homem que morreu esmagado por uma enorme pedra quando tentava escapar à erupção do Vesúvio, em 79 AD.

A vítima teria mais de 30 anos e uma infeção na perna que pode ter dificultado a fuga, já que terá sobrevivido à primeira fase da erupção - morreu com o tórax esmagado por uma pedra que terá caído de um edifício, explicam os arqueólogos.

Responsáveis pelo sítio arqueológico divulgaram esta terça-feira imagens dos restos mortais, nas quais é visível também a ausência do crânio, que não foi encontrado.

O diretor da escavação, Massimo Osanna, considerou esta descoberta "excecional".

Mais de mil vítimas da erupção catastrófica do Vesúvio foram encontradas e escavadas em Pompeia desde que os primeiros restos mortais foram encontrados, no século XVIII.

Grande parte da cidade romana permanece enterrada debaixo das várias camadas de cinza expelidas pelo vulcão, mas o que foi escavado permitiu um retrato instantâneo daquela sociedade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.