Descobertas em Braga 481 moedas romanas dos séculos I ao III

As moedas encontradas "foram cunhadas desde a Síria, Turquia, Alemanha, França"

O Museu Pio XII, em Braga, descobriu 481 moedas romanas datadas do século I ao século III que permitem perceber o circuito de comércio no Mediterrâneo na época do Império Romano, anunciou esta quarta-feira a diocese de Braga.

"No total são 481 moedas, um tesouro que estava no muro de uma segunda 'domus' que descobrimos com esta sondagem. São coisas únicas, temos uma moeda do século I, moedas do século II, III, que permitem perceber todo o circuito de comércio à volta do Mediterrâneo durante aquele período", explicou à Lusa o diretor do museu, José Paulo Abreu.

Segundo o responsável, as moedas encontradas numa sondagem geofísica realizada pelo museu há dois anos "foram cunhadas desde a Síria, Turquia, Alemanha, França", sendo que os trabalhos, feitos há dois anos, revelaram ainda "toda a Braga Romana" debaixo do edifício do próprio museu, que pertence à diocese de Braga.

José Paulo Abreu adiantou ainda estar nos planos do museu, que ocupa um quarteirão no centro de Braga, continuar a explorar "o que está ali por baixo", existindo "uma candidatura para isso", mas que ainda não tem resposta.

"Temos a Braga Romana toda aqui por baixo do edifício. Temos a possibilidade de pôr à mostra quatro casas romanas, da elite, com arruamentos, muros e os fragmentos que aparece nessas coisas, como cerâmica do alto ao baixo-império, vidros, metais", apontou.

As moedas descobertas estão, desde hoje, em exposição no Museu Pio XII.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.