Descobertas em Braga 481 moedas romanas dos séculos I ao III

As moedas encontradas "foram cunhadas desde a Síria, Turquia, Alemanha, França"

O Museu Pio XII, em Braga, descobriu 481 moedas romanas datadas do século I ao século III que permitem perceber o circuito de comércio no Mediterrâneo na época do Império Romano, anunciou esta quarta-feira a diocese de Braga.

"No total são 481 moedas, um tesouro que estava no muro de uma segunda 'domus' que descobrimos com esta sondagem. São coisas únicas, temos uma moeda do século I, moedas do século II, III, que permitem perceber todo o circuito de comércio à volta do Mediterrâneo durante aquele período", explicou à Lusa o diretor do museu, José Paulo Abreu.

Segundo o responsável, as moedas encontradas numa sondagem geofísica realizada pelo museu há dois anos "foram cunhadas desde a Síria, Turquia, Alemanha, França", sendo que os trabalhos, feitos há dois anos, revelaram ainda "toda a Braga Romana" debaixo do edifício do próprio museu, que pertence à diocese de Braga.

José Paulo Abreu adiantou ainda estar nos planos do museu, que ocupa um quarteirão no centro de Braga, continuar a explorar "o que está ali por baixo", existindo "uma candidatura para isso", mas que ainda não tem resposta.

"Temos a Braga Romana toda aqui por baixo do edifício. Temos a possibilidade de pôr à mostra quatro casas romanas, da elite, com arruamentos, muros e os fragmentos que aparece nessas coisas, como cerâmica do alto ao baixo-império, vidros, metais", apontou.

As moedas descobertas estão, desde hoje, em exposição no Museu Pio XII.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.