Cientistas pensam ter encontrado o primeiro sinal de vida na Terra

Vestígios encontrados em rochas canadianas podem ter cerca de 4.3 biliões de anos

"De onde viemos e porque estamos aqui?" Esta é, de acordo com o cientista Matthew Dodd, da University College, em Londres, "a maior questão da humanidade". Agora, uma nova descoberta pode ajudar a responder à eterna pergunta.

Dodd analisou fósseis e rochas provenientes de terras canadianas, que podem conter vestígios de vida, com cerca 4.28 biliões de anos. Esta data, apesar de muito longínqua, não está, relativamente à história do planeta, muito longe daquela em que a Terra terá nascido, centenas de milhões de anos antes.

Se estiverem certos, os investigadores, que publicaram no jornal Nature, podem ter descoberto a mais antiga forma de vida de que há registo. O que os cientistas encontraram no Quebec tem o tamanho que equivale a cerca de um décimo de um cabelo humano.

"Ter a forma de vida mais antiga nas mãos e a hipótese de olhar para ela é uma experiência muito humilde", disse Matthew Dodd à BBC News.

O Dr. Dominic Papineau, também da University College, estima que os fósseis encontrados possam ter entre 3.77 e 4.28 biliões de anos, estabelecendo assim um limite mínimo e máximo para uma possível margem de erro na catalogação da idade da vida no planeta. "Pensei para mim: 'Conseguimos. Temos os fósseis mais velhos do planeta'", disse.

"Vai de encontro às nossas origens. A vida inteligente evoluir até um nível de consciência, até a um ponto onde podemos olhar para a história e perceber a origem da vida, isso inspira", acrescenta.

Até agora, e caso se prove a descoberta, a prova de vida mais antiga descoberta pela ciência provém de rochas australianas, com cerca 3.48 biliões de anos.

Como a ciência vive também do confronto de ideias e resultados, algumas vozes se levantam contra a descoberta. Nicola McLoughlin, de uma universidade sul-africana, diz que alguns dos argumentos não são convincentes.

Parte do interesse da origem na vida na Terra tem também a ver com as implicações que estas descobertas possam ter na vida ao longo do Sistema Solar.

Assim, os cientistas pensam também que ao existirem fósseis tão antigos, é provável que ao mesmo tempo se estivesse a desenvolver vida em Marte. Dominic Papineau afirma então que podemos estar procurar vida no planeta vermelho nos lugares errados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".