Cientistas "hackearam" enzima e agora ela é melhor a comer plástico

Cientistas norte-americanos e britânicos melhoraram uma enzima que é capaz de digerir alguns tipos de plástico, o que pode revolucionar o processo de reciclagem

Os cientistas modificaram a enzima que come plástico. Uma descoberta acidental, mas que melhorou a performance desta enzima, antecipando que venha a ser usada à escala industrial para a reciclagem do plástico.

A alteração aconteceu quando uma equipa da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, e do Laboratório Nacional de Energias Renováveis (NREL, na sigla inglesa) do Departamento Nacional de Energia dos EUA estavam a tentar perceber como funciona a enzima, descoberta em 2016, numa lixeira no Japão.

"O acaso tem muitas vezes um papel fundamental na investigação científica e a nossa descoberta não foi exceção", admitiu o coordenador da investigação, John McGeehan, diretor do Instituto de Ciências Biológicas e Biomédicas de Portsmouth, ao site da própria universidade.

Os investigadores descobriram que era possível melhorar a enzima - conhecida como Ideonella sakaiensis - quando estavam a construir o seu modelo 3D de forma a perceber como a bactéria onde esta se encontra degrada o plástico como fonte de alimentação. A sua modificação torna-a mais eficiente, aumentando as hipóteses de que venha a ser uma verdadeira possibilidade para a reciclagem do plástico.

Esta enzima foi identificada como alimentando-se de PET, um plástico patenteado nos anos 1940. A sua curta vida no planeta faz com que a enzima não tenha tido ainda muito tempo para evoluir na natureza. Ao tentar determinar a sua estrutura, os cientistas conseguiram melhorar a sua performance, na degradação de plásticos PET e até dos PEF.

"Apesar da nossa descoberta ser modesta, esta descoberta inesperada sugere que há espaço para futuros aperfeiçoamentos destas enzimas, aproximando-nos de uma solução para a reciclagem dos plásticos", defendeu o professor John McGeehan. Agora esta descoberta pode ser aplicada para continuar a melhorar esta enzima.

O objetivo será melhorar esta enzima para que possa ser usada à escala industrial permitindo a reutilização do plástico que neste momento demorar centenas de anos a degradar-se no meio ambiente.

De acordo com os dados de organizações ambientais por ano são produzidos 300 milhões de toneladas de plástico em todo o mundo. Destes 300 milhões, estima-se que cerca de 8 milhões vão parar aos oceanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.