Bruxelas quer proibir pesca de enguia e reduzir a de biqueirão, pescada ou carapau

No total, Comissão Europeia propõe cortes nas capturas de 25 'stocks' de peixe em 2018

A Comissão Europeia propôs hoje os totais admissíveis de capturas para 78 unidades populacionais ('stocks') comerciais de peixe em 2018, com cortes nas oportunidades de pesca em 25 delas, incluindo em águas nacionais, e a proibição de pesca de enguia.

No total, são propostas reduções em 25 unidades populacionais e aumentos ou manutenção em 53, para além de ser introduzida uma proposta de proibição da pesca de enguia em todas as águas da União Europeia.

Neste caso, os pareceres científicos salientam a importância da cessação de todas as atividades de pesca dirigidas aos reprodutores, até que haja provas claras da melhoria do estado da unidade populacional de enguias.

Nas águas nacionais, os totais admissíveis de capturas (TAC) de areeiros sobem 20% face a 2017, para as 1.387 toneladas.

A maior proposta de redução para 2018 respeita à possibilidade de pesca de biqueirão, que Bruxelas quer ver reduzida em 43%, para as 7.115 toneladas, seguindo-se a de pescada, com um corte proposto de 30% (para as 7.366 toneladas).

As capturas de tamboril deverão baixar 2%, não ultrapassando as 3.879 toneladas.

Em relação ao carapau, a Comissão Europeia propõe um corte de 24% nas águas continentais (limite de 2.526 tonelada), sendo que nas zonas de pesca dos Açores e Madeira é Portugal que fixa as quotas.

As propostas para o lagostim, o bacalhau e a arinca serão apresentadas nas próximas semanas, bem como os chamados "complementos de quota" para os 'stocks' que, em 2018, são abrangidos pela obrigação de desembarcar, que exige que todas as capturas de espécies comerciais regulamentadas a bordo sejam desembarcadas e imputadas a quotas.

As quotas autorizadas são portanto aumentadas para facilitar a transição para o novo sistema sem devoluções.

As propostas de Bruxelas serão discutidas pelos ministros das Pescas dos 28 numa reunião marcada para 11 e 12 de dezembro e que habitualmente se arrasta pela madrugada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?