Astrónomo amador descobre satélite que a NASA tinha perdido há 12 anos

Sinal do satélite IMAGE, que tinha sido lançado em 2000 para estudar a área invísivel em torno do planeta Terra, foi detetado por acaso.

O astrónomo amador canadiano Scott Tilley, 47 anos, encontrou sinais do satélite IMAGE, com o qual a NASA tinha perdido contacto há 12 anos, devolvendo esperança para que a agência norte-americana pudesse continuar a missão de compreender o área invísivel em torno do planeta Terra.

Segundo a NASA, que esta terça-feira confirmou que o sinal era realmente do satélite IMAGE, o astrónomo conseguiu entrar em contacto com o objeto no dia 20 e, em seguida, enviou os dados para análise. Apesar do tempo que passou desde que o contacto foi perdido, a agência adiante que o sistema de controlo central do aparelho continua a funcionar.

O aparelho, também conhecido como Magnetopause-to-Aurora Global Exploration, entrou em órbita a 25 de março de 2000 e foi desenvolvida para estudar a magnetosfera terrestre, trazendo as primeiras leituras sobre a presença de plasma nessa área, missão concluída com sucesso em 2002. A 18 de dezembro de 2005, a sonda deixou de estar em contacto com a base.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.