Astrónomo amador descobre satélite que a NASA tinha perdido há 12 anos

Sinal do satélite IMAGE, que tinha sido lançado em 2000 para estudar a área invísivel em torno do planeta Terra, foi detetado por acaso.

O astrónomo amador canadiano Scott Tilley, 47 anos, encontrou sinais do satélite IMAGE, com o qual a NASA tinha perdido contacto há 12 anos, devolvendo esperança para que a agência norte-americana pudesse continuar a missão de compreender o área invísivel em torno do planeta Terra.

Segundo a NASA, que esta terça-feira confirmou que o sinal era realmente do satélite IMAGE, o astrónomo conseguiu entrar em contacto com o objeto no dia 20 e, em seguida, enviou os dados para análise. Apesar do tempo que passou desde que o contacto foi perdido, a agência adiante que o sistema de controlo central do aparelho continua a funcionar.

O aparelho, também conhecido como Magnetopause-to-Aurora Global Exploration, entrou em órbita a 25 de março de 2000 e foi desenvolvida para estudar a magnetosfera terrestre, trazendo as primeiras leituras sobre a presença de plasma nessa área, missão concluída com sucesso em 2002. A 18 de dezembro de 2005, a sonda deixou de estar em contacto com a base.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.