Alunos com dislexia menos grave sem o devido apoio por falta de recursos

Denúncia é da presidente da Associação Portuguesa de Dislexia

Muitos alunos com dislexia menos grave não recebem o devido apoio nas escolas por falta de recursos humanos com formação específica para esta perturbação que afeta uma cada dez pessoas, segundo a presidente da Associação Portuguesa de Dislexia (Dislex).

A propósito do Dia Mundial da Dislexia, que se assinala terça-feira, a Dislex lança uma campanha de sensibilização com o objetivo de "derrubar ideias erradas e preconcebidas que existem em torno desta disfunção neurológica".

Em declarações à agência Lusa, a presidente da Dislex, Helena Serra sublinhou a importância de as crianças serem atempadamente diagnosticadas e, principalmente, de terem a resposta adequada que passa por professores que receberam a devida e específica formação.

O que não acontece, segundo Helena Serra, a uma grande quantidade de crianças que, após suspeita, são avaliadas, mas "num grau com relativa suavidade".

"Os casos mais graves são acompanhados por professores que receberam a devida formação, embora este acompanhamento varie consoante a região onde é localizada a escola. Mas os outros casos de dislexia menos grave apenas recebem apoio educativo não especializado e que se baseia na correção de erros e outros trabalhos que aumentam a frustração do aluno", disse.

Para Helena Serra, Portugal é, em matéria de resposta à dislexia, "uma manta de retalhos", embora a especialista reconheça alguns avanços.

Faltam, contudo, recursos humanos específicos, sem os quais é impossível um acompanhamento eficaz destas crianças, que permita a identificação do seu "dom", que pode não passar pelas letras, mas que tende a manifestar-se ao nível das artes, desporto ou outro.

É nesse sentido que a campanha recorda alguns génios como Einstein, Picasso, Da Vinci, Agatha Christie, Van Gogh, Churchill, todos eles disléxicos.

A dislexia é uma perturbação que afeta 600 milhões de pessoas no mundo inteiro. Em Portugal, atinge mais de 5% da população.

Com o lema "Disléxicos como Nós", a campanha será composta por um cartaz e um vídeo que reflete os vários cenários deste problema em contexto real.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.