Álcool é "de longe" a droga mais consumida pelos portugueses

14% dos homens e 9,8% das mulheres descrevem padrões considerados problemáticos

O álcool é, "de longe", a substância mais consumida pelos portugueses que responderam ao maior inquérito online sobre consumo de drogas, com mais de 14% dos homens a descreveram padrões considerados problemáticos, segundo os resultados hoje divulgados.

Esta percentagem baixa para 9,8% quando são analisados os resultados das mulheres, de acordo com parâmetros usados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para avaliar padrões de consumo considerados problemáticos.

Os dados do "Global Drug Survey 2017" (GDS) mostram que 27% dos portugueses que participaram neste trabalho assumiram que gostariam de diminuir o consumo no próximo ano e 8% gostavam de obter ajuda para lidar com o problema.

A canábis continua a ser "a substância ilícita mais usada no mundo" e Portugal não é exceção: 65% dos portugueses que responderam ao questionário são consumidores desta droga e destes 31% consomem todos os dias.

"As mudanças na legislação face a esta substância em algumas partes do mundo têm permitido o desenvolvimento de novas formas mais seguras de consumir canábis, mas há ainda um longo caminho a percorrer", lê-se no documento de apresentação dos resultados.

A vaporização, considerada uma das formas menos danosas de consumo, é apenas usada por 5% da amostra total deste inquérito, constituída por cerca de 120.000 pessoas, em 50 países.

Em Portugal, com 900 participantes, 88% dos que fumam canábis misturam a droga com tabaco, "aumentando assim os riscos associados ao consumo". Apenas 2,5% afirmam usar um vaporizador.

As conclusões retiradas por Helena Valente, investigadora da Faculdade de Psicologia e Ciências de Educação da Universidade do Porto, apontam ainda para "uma forte tendência" em quase todos os países no aumento dos níveis de pureza de substâncias como a cocaína e o ecstasy (MDMA).

Este fenómeno, de acordo com a mesma fonte, "tem trazido riscos acrescidos aos consumidores", uma vez que "nem sempre as drogas mais puras são as mais seguras".

No relatório hoje divulgado defende-se que é fundamental dar às pessoas a possibilidade de acederem a serviços de análise de substâncias ('drug checking'), "onde possam conhecer o real conteúdo das suas drogas" e receber aconselhamento.

Em Portugal, 22% da amostra já consumiram cocaína e mais de 30% já consumiram ecstasy, 18% no último ano.

No que diz respeito às chamadas novas substâncias psicoativas, verificou-se uma alteração. Enquanto em anos anteriores os consumidores preferiam substâncias estimulantes, com efeitos parecidos com os do MDMA e da cocaína ou canabinoides sintéticos, este ano deu-se um aumento da procura de produtos com efeitos psicadélicos.

"É igualmente notório um aumento no interesse por psicadélicos mais tradicionais, como o LSD e os cogumelos mágicos", sublinha-se no documento.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.