Abutres gay chocaram ovo de cria que adotaram

Aves chocaram ovo durante dois meses e estão a criar o abutre bebé, agora com 20 dias, em conjunto.

Dois abutres macho do Jardim Zoológico Artis, em Amesterdão, tornaram-se no primeiro casal gay a adotar uma cria. Os dois estão juntos "há alguns anos", segundo os responsáveis do zoo, citados pela BBC, e agora chocaram um ovo e estão a tomar conta da cria de 20 dias.

"Já os temos há alguns anos. Eles constroem sempre junto um ninho e acasalam", referiu Job van Tol, do zoo Artis. Foi este comportamento que levou os tratadores a entregar um ovo abandonado pelas outras aves ao casal. "Não tínhamos garantia de sucesso e por isso foi um pouco arriscado, mas pensámos, que esta era a oportunidade deles."

O casal é descrito como "muito unido" e tem acompanhado a cria de perto. Os dois têm alimentado o bebé de 20 dias. "Tal como os pinguins, os abutres também partilham as tarefas. As fêmeas põem ovos, mas são chocados em conjunto e tanto fêmeas como machos procuram comida. Os machos estão programados para cuidar, também."

Esta foi a primeira incubação bem-sucedida em cinco anos, no Artis. Outra ave nasceu no mesmo período, de um casal heterossexual resgatado de um acidente rodoviário em Espanha. "Duas histórias muito especiais", sublinhou Job van Tol.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.