A seguir à tempestade Ana vem o Bruno e a Carmen. Saiba porquê

Pessoas tendem a ter mais cuidados quando as tempestades têm um nome. Portugal, Espanha e França em coordenação no que toca aos fenómenos meteorológicos

A fim de "assegurar e facilitar a cooperação" entre os vários serviços meteorológicos nacionais da Europa, as entidades meteorológicas de Portugal (IPMA), Espanha (AEMET) e França (Météo-France) começaram a nomear as tempestades que se verificam no sul europeu. A medida entrou em vigor a 1 de dezembro e em Portugal teve nos últimos dias, com a tempestade Ana, a primeira tempestade a ter um nome "humano".

"O sistema de dar nome a tempestades foi implementado com êxito durante duas temporadas (2015/2016 e 2016/2017) no Reino Unido e Irlanda", lê-se numa nota da AEMET.

A mesma nota acrescenta que os cidadãos tendem a ter mais atenção às condições meteorológicas, e as consequentes medidas de prevenção e segurança, se os fenómenos tiverem nomes e estiverem "claramente identificados".

Assim, os nomes para as próximas tempestades estão já alinhavados e por ordem alfabética. A saber: Ana, Bruno, Carmen, David, Emma, Felix, Gisele, Hugo, Irene, Jose, Katia, Leo, Marina, Nuno, Olivia, Pierre, Rosa, Samuel, Telma, Vasco e Wiam.

Se o IPMA, o AEMETE ou o Météo-France emitir um aviso laranja ou vermelho devido à aproximação de uma tempestade, deverá chamar-lhe um dos nomes da lista já estabelecida.

Só serão "batizadas" as tempestades que possam crescer de tal maneira que provoquem um grande impacto em "bens e pessoas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.