Astrónomo entusiasma-se e descobre... Marte!

Aquele que podia ser um episódio marcante para a carreira do astrónomo Peter Dunsby, transformou-se num momento de paródia pública

O que faria se, ao observar o céu, descobrisse um ponto brilhante nunca antes visto? Esta foi a questão com a qual se debateu Peter Dunsby, Professor de Cosmologia na Universidade da Cidade do Cabo, ao identificar um objeto voador não identificado perto da nebulosa Trífida e Laguna.

Acreditando ter feito a descoberta da sua vida, o professor não hesitou em partilhar o achado com a comunidade científica através do Astronomers Telegram - um serviço de troca de informações sobre novos fenómenos espaciais.

"O objeto era visível durante o tempo em que a observação durou e não tinha sido visto quando esse campo foi previamente observado", escreveu Dunsby no Astronomers Telegram. "Recomenda-se fazer observações mais detalhadas para estabelecer a natureza desse objeto óptico muito brilhante", insistiu.

Porém, 40 minutos depois, a verdade chegou. Nua e crua.

A fantástica descoberta mais não era do que o velho e conhecido ... Planeta Marte.

"O objeto relatado no ATell 11448 foi identificado como Marte", corrigiu o Astronomers Telegram.

A partir desse momento Peter Dunbsy inscrevia o seu nome nas piadas da astronomia. "Professor Peter Dunsby, parabéns por descobrir Marte!", escreveu a mesma plataforma através da rede social Twitter, ironizando a descoberta do colega.

O cosmologista admitiu que o que aconteceu foi uma boa lição para ele e que é necessário verificar as conclusões várias vezes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).