Astrónomo entusiasma-se e descobre... Marte!

Aquele que podia ser um episódio marcante para a carreira do astrónomo Peter Dunsby, transformou-se num momento de paródia pública

O que faria se, ao observar o céu, descobrisse um ponto brilhante nunca antes visto? Esta foi a questão com a qual se debateu Peter Dunsby, Professor de Cosmologia na Universidade da Cidade do Cabo, ao identificar um objeto voador não identificado perto da nebulosa Trífida e Laguna.

Acreditando ter feito a descoberta da sua vida, o professor não hesitou em partilhar o achado com a comunidade científica através do Astronomers Telegram - um serviço de troca de informações sobre novos fenómenos espaciais.

"O objeto era visível durante o tempo em que a observação durou e não tinha sido visto quando esse campo foi previamente observado", escreveu Dunsby no Astronomers Telegram. "Recomenda-se fazer observações mais detalhadas para estabelecer a natureza desse objeto óptico muito brilhante", insistiu.

Porém, 40 minutos depois, a verdade chegou. Nua e crua.

A fantástica descoberta mais não era do que o velho e conhecido ... Planeta Marte.

"O objeto relatado no ATell 11448 foi identificado como Marte", corrigiu o Astronomers Telegram.

A partir desse momento Peter Dunbsy inscrevia o seu nome nas piadas da astronomia. "Professor Peter Dunsby, parabéns por descobrir Marte!", escreveu a mesma plataforma através da rede social Twitter, ironizando a descoberta do colega.

O cosmologista admitiu que o que aconteceu foi uma boa lição para ele e que é necessário verificar as conclusões várias vezes.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).