Hungria diminui restrições para portadores de cartões de imunidade

As pessoas que receberam pelo menos uma dose de vacina e as que recuperaram da covid-19 são elegíveis para os cartões de imunidade húngaros.

A Hungria diminuiu este sábado algumas restrições relativas à covid-19 para portadores de cartões de imunidade emitidos pelo governo, a última de uma série de medidas de reabertura que se seguiram à campanha de vacinação.

A partir de hoje, os indivíduos com os cartões de identificação podem entrar em refeitórios internos, hotéis, teatros, cinemas, spas, academias, bibliotecas, museus e outros locais recreativos. O horário comercial foi estendido até às 23.00 horas e o toque de recolher noturno em vigor desde novembro agora começará mais tarde, à meia-noite.

As pessoas que receberam pelo menos uma dose de vacina e as que recuperaram da covid-19 são elegíveis para os cartões de imunidade húngaros, que devem ser apresentados nos estabelecimentos antes da entrada. As empresas podem receber multas pesadas se permitirem a entrada de não portadores de cartão.

Toda a questão dos chamados passaportes covid-19 é preocupante em muitas partes do mundo, com críticos a considerarem que discriminam pessoas em países mais pobres ou grupos de idades mais jovens que não têm acesso às vacinas. Na Hungria, questões burocráticas fizeram com que muitos residentes vacinados não recebessem os cartões de imunidade oito dias após a primeira injeção, conforme tinha sido planeado.

Os famosos banhos termais da Hungria, uma marca registada da indústria turística do país, abriram hoje as piscinas, saunas e banhos turcos aos hóspedes, após quase seis meses de encerramento, Budapeste, que opera 12 desses spas, abriu seis.

Ildiko Szucs, diretor executivo da Budapest Spas Ltd., disse à Associated Press que considera que os banhos beneficiarão as pessoas que sofreram física e mentalmente durante a pandemia.

"O efeito da água medicinal no controle do stress e no rejuvenescimento mental é muito importante, e esperamos que o maior número possível de pessoas reconheça isso e nos visite", disse Szucs.

Falando dos banhos neobarrocos de Budapeste, Szecheyni Baths, o maior spa medicinal da Europa, Szucs disse que muitos convidados chegaram hoje com o comprovativo de vacinação emitido pelos médicos, mas não receberam seus cartões emitidos pelo governo e tiveram que ser recusados.

"Tentaremos tomar medidas sobre este assunto e, se necessário, pedir uma emenda à legislação... uma vez que esses convidados já receberam duas vacinas em muitos casos, '' acrescentou.

Maria e Gabor Gal, um casal aposentado, receberam sua primeira dose em 21 de março e a segunda no início de abril. Mas seis semanas após as primeiras fotos, eles disseram que não tinham recebido os seus cartões.

"Disseram-nos que o certificado de vacinação virá quando chegar. Agora questionamos quando chegará, porque seria bom se pudéssemos usá-lo '', disse Maria Gal, 67 anos, acrescentando: "Estamos aqui trancados há ano e meio".

O governo húngaro lançou um site e um endereço de e-mail especial para o qual as pessoas que esperavam pelos cartões podiam enviar perguntas. Planos anteriores indicavam que um aplicativo móvel estaria disponível para fornecer a prova de vacinação, mas o sistema ainda não foi colocado online.

Um surto de pandemia devastador nesta primavera deu à Hungria a maior taxa global de mortalidade de covid-19 do mundo por milhão de habitantes, de acordo com a Universidade Johns Hopkins. O país de cerca de 9,7 milhões de pessoas relatou mais de 27.500 mortes na pandemia.

Mas o governo agiu agressivamente para vacinar a população. A Hungria administrou quatro milhões de primeiras doses de vacinas contra o coronavírus, atingindo cerca de 40% da população, dando ao país a segunda maior taxa de vacinação da União Europeia.

A Hungria também é a única das 27 nações da UE a usar vacinas da China e da Rússia, além de vacinas ocidentais. O governo está a tentar opor-se a possíveis medidas da UE para emitir esses certificados apenas para aqueles que receberam vacinas aprovadas pela Agência Europeia de Medicamentos, que até agora não incluem as vacinas russa e chinesa.

Hoje, um jogo de futebol em Budapeste deve admitir a presença de adeptos portadores do cartão de imunidade. Um clube concorrente divulgou um comunicado dizendo que as máscaras não seriam necessárias no estádio, mas pediu aos adeptos que as usassem.

No início do dia, pais e crianças ansiosos fizeram fila para estar entre os convidados do Jardim Zoológico de Budapeste na reabertura deste após seis meses de encerramento. Os menores de 18 anos acompanhados por adultos titulares do cartão podem entrar nos estabelecimentos sem o cartão.

"O zoológico é o melhor quando está cheio de visitantes, quando muitas pessoas vêm para conhecer o mundo dos animais e se divertir", disse o porta-voz Zoltan Hanga, observando que a atração não estava fechada há tanto tempo desde a Segunda Guerra Mundial.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG