12 anos de prisão para homem que matou sogra à paulada por engano

O coletivo de juízes deu como provado que o arguido teve intenção de matar mas que se enganou no alvo, já que pensaria que estava a agredir o alegado amante da sua ex-companheira.

O Tribunal de Guimarães condenou hoje a 12 anos de prisão o homem que em fevereiro de 2016 matou a sogra à paulada em Fontarcada, Póvoa de Lanhoso.

O coletivo de juízes deu como provado que o arguido teve intenção de matar mas que se enganou no alvo, já que pensaria que estava a agredir o alegado amante da sua ex-companheira.

Na altura dos factos, a vítima, de 87 anos, estava deitada na cama, completamente coberta e a casa estava totalmente às escuras.

O arguido estava acusado de homicídio qualificado, mas o tribunal condenou-o por homicídio simples, considerando que não houve premeditação e que não agiu por motivo fútil.

Para o tribunal, na origem do crime estiveram os ciúmes do arguido.

No entanto, o tribunal deu como provado que o arguido desferiu vários golpes violentos na cabeça da vítima, pelo que daquela agressão resultaria sempre a morte, mesmo que em causa não estivesse uma pessoa de 87 anos.

Os factos remontam a 18 de fevereiro de 2016, quando o arguido foi a casa da ex-companheira e se apercebeu de um "vulto" numa das camas.

Suspeitando que seria o amante da sua ex-companheira, desferiu várias pauladas na cabeça, "com violência".

Em tribunal, o arguido negou a intenção de matar.

O homem estava também acusado de detenção de arma proibida, por ter utilizado um pau de 79 centímetros de comprimento que teria metido na mala do carro expressamente para o efeito.

No entanto, o tribunal absolveu-o deste crime, por considerar que o pau foi apanhado mesmo à porta da casa onde se registaram os factos.

O arguido terá ainda de pagar 80 mil euros de indemnização à família da vítima.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.