Dois polícias e um militar da GNR presos por sequestro, segurança ilegal e tráfico de armas

PJ fala em criminalidade especialmente violenta: os 10 detidos são também suspeitos de coação, ofensa à integridade física e corrupção

Dois agentes da PSP, um militar da GNR e outras sete pessoas foram detidas pelo que a PJ considera ser "criminalidade especialmente violenta". Os detidos são suspeitos de ameaça, coação, ofensa à integridade física, sequestro, exercício ilegal de segurança privada, tráfico, mediação e detenção de armas proibidas e corrupção.

A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional Contra Terrorismo, informou esta quarta-feira da detenção de nove homens e uma mulher, com idades compreendidas entre os 31 e os 49 anos. Os "três elementos de forças de segurança" são dois agentes da PSP e um militar da GNR de Torres Vedras.

No decurso da operação policial foram cumpridas dezasseis buscas domiciliárias e não domiciliárias, tendo sido apreendidos relevantes elementos de prova, diz o comunicado da PJ, que sublinha a "estreita colaboração com a PSP e a GNR".

A investigação teve início com a denúncia do exercício de segurança privada ilegal em estabelecimentos noturnos e a prática, por parte dos seguranças, de crimes de ameaça, coação, ofensa à integridade física grave e sequestro relativamente a clientes desses espaços.

Os detidos vão ser presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação.