Da piscina no Tejo à padaria comunitária. Ideias para Lisboa

Não faltam projetos para a capital quer na área social e desportiva quer de espaços verdes e transportes. A autarquia recebeu 434 ideias e vai definir quais as que chegam a votação

Uma padaria comunitária; Passe de metro e carris para animais; Piscina no Tejo com entrada a cinco euros; Parquímetros nos Jerónimos para autocarros turísticos; Um espaço-marmita; Ioga para todos. Propostas dos moradores não faltam para a Câmara de Lisboa analisar. No total, são 434 ideias para a 10.ª edição do orçamento participativo (OP) de Lisboa. A câmara reconhece que a mobilização dos moradores foi inferior (menos cem propostas) à do ano anterior, mas justifica com algumas das restrições impostas.
"As pessoas cada vez aderem mais ao orçamento participativo, estão mais interessadas e interventivas na melhoria da cidade", comenta ao DN Jorge Máximo, o vereador com o pelouro da Relação com o Munícipe.
"Entre as várias propostas apresentadas, a área do espaço público é a que recebeu mais propostas, com cerca de 25% do total nos domínios da mobilidade urbana, por exemplo. Depois surgem as zonas verdes, como parques, seguindo-se a cultura e o desporto", explica Jorge Máximo, desvalorizando o facto de ter havido menor participação. "Neste ano não aceitámos propostas com menos de 50 mil euros de orçamento. Fomos mais restritivos também para permitir um maior aproveitamento das ideias vencedoras, com propostas que envolvam um maior orçamento."
A fase seguinte é a da seleção dos projetos, que serão sujeitos a uma análise técnica, e os aprovados irão figurar numa lista provisória que ficará disponível para votação até 20 de novembro. Os vencedores terão de ter no mínimo 250 votos.
À semelhança do que aconteceu nos últimos seis anos, a verba disponível para melhoramentos e intervenções solicitados pelos moradores é de 2,5 milhões de euros, metade do valor disponível nos primeiros anos.
O OP de Lisboa teve a primeira edição em 2008 e desde então já foram apresentadas 5770 propostas, referentes a mais de 230 mil votos. Desses, foram a votação 1829 projetos, tendo 105 saído vencedores. Ainda estão por concretizar muitos projetos vencedores das edições passadas, mas Jorge Máximo considera que esses atrasos não desvalorizam a iniciativa e promete maior celeridade.
A área das infraestruturas viárias, mobilidade e transportes foi a que teve mais propostas, num total de 108, com a melhoria de estradas e estruturas pedonais a liderar as ideias. Já a área dos direitos sociais conheceu algumas das ideias mais originais. Como a criação de uma padaria comunitária, na zona do Castelo, num espaço que tem um forno a lenha. A proposta é produzir pão a custos reduzidos para ser distribuído pela população mais necessitada da Freguesia de Santa Maria Maior. Mas há também quem peça que seja criado um espaço amplo e de fácil acesso para quem leva marmita para os locais de trabalho.
Os animais não voltaram a ser esquecidos nesta edição. Um passe Carris/Metropolitano para que os animais possam andar livremente nestes transportes públicos, mediante o uso de açaime, fralda e coleira ou caixa de viagem de rede. O preço dos bilhetes seria o dobro do dos humanos adultos.
Aproveitando o rio, algumas propostas incluíram a água. Sem especificar em que zona, foi sugerida a ideia de construir uma piscina flutuante no Tejo e um espaço de cadeiras de sol. E até o preço foi sugerido, cinco euros a entrada e dois para o uso dos chapéus. Ainda na onda do Tejo houve quem propusesse um miradouro fluvial na Cordoaria Nacional.
O Restaurante Panorâmico de Monsanto, abandonado há vários anos, voltou a não ser esquecido: transformar o espaço num miradouro, com piscina interior, espelho de água com esplanada, concessão de pastelaria e painéis solares.
E, para que ninguém se perca nas contas, foi apresentado um projeto de um mostrador da dívida portuguesa, a ser atualizado constantemente. O mostrador indicaria o número de habitantes no país e o valor que deve cada português.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG