Costa defende que meios estão mobilizados e a atuação é coordenada

"Se houver cuidado, não há incêndios. Apesar da severidade das condições atmosféricas, o fogo nasce sempre de mão humana", afirmou António Costa

O primeiro-ministro considerou esta quinta-feira que os meios de combate aos incêndios estão mobilizados e a operar no terreno de forma coordenada, mas salientou que a principal resposta passa por maior cuidado na prevenção de fogos.

"Os meios estão mobilizados, organizados e a atuar de forma coordenada", respondeu António Costa aos jornalistas após ter participado num 'briefing' no Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), tendo ao seu lado o presidente da Autoridade Nacional de Emergência e da Proteção Civil, general Duarte Costa.

No entanto, para o líder do executivo, na atual situação, a principal resposta "não passa por mais meios, mas por mais cuidado" na prevenção de fogos por parte da generalidade dos cidadãos.

"Se houver cuidado, não há incêndios. Apesar da severidade das condições atmosféricas, o fogo nasce sempre de mão humana", frisou, antes de ser interrogado sobre se Portugal já solicitou auxílio internacional em termos de meios.

"Já solicitamos meios ao mecanismo europeu, mas acontece que esta situação de risco de incêndios não está exclusivamente localizada em Portugal. A Espanha também está numa situação de grande pressão e precisa de meios", observou.

Para o primeiro-ministro, bombeiros e outros agentes que estão no terreno, como a GNR e as Forças Armadas, "estão a dar o seu máximo" com combate aos incêndios e vigilância nas florestas.

"O esforço em termos de mobilização de meios está mobilizado ao máximo. Mas temos de complementar esse esforço com uma atitude de cuidado por parte dos portugueses", reforçou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG